Comércio de Dispositivos Médicos entre a UE e a Suíça Após a Implementação do MDR
O novo regulamento da UE sobre dispositivos médicos (EU-MDR) está em vigor desde 26 de maio de 2021. No entanto, a Suíça não é um Estado-Membro da UE, o que significa que é considerada um país terceiro de acordo com o novo EU-MDR. Este estatuto tem implicações para o comércio de dispositivos médicos com marcação CE entre a Suíça e a UE.
Liliana Teles

Liliana Teles

SUÍÇA COMO PAÍS TERCEIRO

A Suíça está localizada na Europa, mas não é um Estado-Membro da União Europeia (UE). Faz parte da Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA – European Free Trade Association) e pertence ao Espaço Económico Europeu (EEE – European Economic Area). A EFTA não tem obrigação legal de seguir a legislação de produtos da UE e o comércio com a Suíça é estabelecido através de vários acordos de reconhecimento mútuo.

Até agora, existia um Acordo de Reconhecimento Mútuo (MRA – Mutual Recognition Agreement) entre a Suíça e a UE relativamente à Diretiva de Dispositivos Médicos (MDD) e Diretiva de Dispositivos Médicos Ativos Implantáveis (AIMDD), que permitia que dispositivos médicos (e outros produtos como máquinas e veículos motorizados) se movimentassem livremente entre este país e o mercado da União Europeia. O MRA UE-Suíça reconheceu anteriormente certificados de avaliação de conformidade entre a UE e a Suíça baseando-se nas regulamentações equivalentes. Isto enquadra-se no âmbito do Acordo-Quadro Institucional UE-Suíça (InstA – Institutional Framework Agreement), que está em negociação entre a UE e a Suíça desde 2014.

No entanto, este MRA foi encerrado porque o MDD e o AIMDD já não estão em vigor (não são aplicáveis) ​​e o MRA não foi atualizado. Com a total aplicação do Regulamento sobre Dispositivos Médicos da UE (Medical Devices Regulation (MDR) – Regulamento (UE) 2017/745, explicado na nossa publicação anterior) a 26 de maio deste ano, a Suíça tornou-se oficialmente um “país terceiro” para os efeitos do EU-MDR. A UE declarou que, na ausência de um acordo sobre a implementação do InstA, não é possível considerar uma atualização completa do MRA (incluindo o capítulo dos dispositivos médicos).

O MRA não foi atualizado, mas também não foi retirado, portanto, a Diretiva 98/79/CE da UE relativa aos dispositivos médicos de diagnóstico in vitro (IVDD – In Vitro Diagnostic Medical Devices) permanece mutuamente reconhecida. Em 2022 (26 de maio), o IVDD será substituído pelo Regulamento (UE) 2017/746 (IVDR) e, na ausência de um MRA atualizado, os dispositivos médicos in vitro deixarão de ser abrangidos pelo MRA, ocorrendo assim o mesmo que com os dispositivos médicos que não são in vitro (abrangidos pelo MDR).

CONSEQUÊNCIAS NO COMÉRCIO COM A SUÍÇA

Até que um possível acordo sobre a modificação proposta ao MRA seja alcançado, os efeitos de facilitação do comércio do MRA para dispositivos médicos abrangidos pelo novo MDR deixam de se aplicar. Como resultado, isto tem consequências, nomeadamente no que diz respeito ao reconhecimento mútuo dos resultados da avaliação da conformidade, à necessidade de um representante autorizado e ao alinhamento dos regulamentos técnicos.

O Conselho Federal Suíço adotou a 19 de maio de 2021 uma emenda ao Decreto Suíço sobre Dispositivos Médicos (MedDO). Esta alteração introduziu requisitos adicionais para dar conta da ausência de um MRA atualizado, estabelecendo condições para o comércio de dispositivos médicos que são cobertos por certificados emitidos pela UE no mercado suíço. Os certificados existentes (emitidos sob o MRA) por organismos de avaliação de conformidade estabelecidos na UE são reconhecidos e são concedidos prazos de transição para a designação de um representante na Suíça para fabricantes de dispositivos médicos da UE/EEE.

Os dispositivos suíços de médio e alto risco devem ser certificados por organismos de avaliação de conformidade estabelecidos na UE. Os certificados existentes (emitidos sob o MRA) emitidos por organismos de avaliação da conformidade estabelecidos na Suíça deixam de ser reconhecidos. A Suíça contesta esta determinação unilateral da UE e defende que deveriam ser dados períodos de transição.

Os fabricantes suíços, agora tratados como fabricantes de um país terceiro, devem nomear um Representante Autorizado Europeu para que possam exportar os seus dispositivos médicos para a Europa. Por outro lado, os fabricantes europeus devem designar um Representante Autorizado Suíço para exportar os seus produtos para a Suíça, em conformidade com o Decreto de Dispositivos Médicos (MedDO). De acordo com a MedDO revista, um Representante Autorizado Suíço é “qualquer pessoa física ou jurídica estabelecida na Suíça que recebeu um mandato por escrito de um fabricante localizado em outro país para agir em nome do fabricante em relação a tarefas específicas no que diz respeito às obrigações deste último nos termos deste Decreto”. É necessário um Representante Autorizado Suíço para todos os dispositivos médicos, exceto para dispositivos médicos in vitro (que não são abrangidos pela MedDO revista), todos os pacotes de procedimentos e todos os sistemas.

Os operadores económicos (fabricantes, importadores e representantes autorizados) devem registar-se na Swissmedic para obterem um número de identificação único (“Swiss Single Registration Number” – CHRN), num espaço de 3 meses após a colocação de um dispositivo médico no mercado. O EUDAMED (banco de dados da UE sobre dispositivos médicos – ver publicação anterior) não está acessível para a Swissmedic.

Ainda existem muita incerteza em torno do comércio de dispositivos médicos entre a Suíça e a UE e como tudo se vai desenrolar. Uma coisa é certa, sem o MRA atualizado, a Suíça é considerada um país terceiro para os efeitos do MDR da UE e os países do EEE são países terceiros sob a legislação suíça sobre dispositivos médicos.

A Critical Catalyst continuará a monitorizar esta situação, auxiliando as empresas de Dispositivos Médicos da melhor maneira possível. Se desejar obter mais informações sobre este assunto ou colocar alguma dúvida à nossa equipa de assuntos regulamentares, não hesite em contatar-nos através do e-mail info@criticalcatalyst.com.

Referências:

  1. Regulation (EU) 2017/745 of the European Parliament and of the Council of 5 April 2017 on medical devices. Available at: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/EN/TXT/PDF/?uri=CELEX:02017R0745-20200424&from=EN
  2. Commission published information notice on the status of the EU-Switzerland Mutual Recognition Agreement for Medical Devices. 26 May 2021. European Commission. Available at: https://ec.europa.eu/commission/presscorner/detail/en/IP_21_2684

further
reading

notícias e atualidade

Novo Límite de Formaldeído em Produtos Cosméticos

A Comissão Europeia publicou um projeto de regulamento para alterar o preâmbulo do Anexo V no que diz respeito ao limite para a rotulagem de substâncias que libertem formaldeído. Esta alteração resulta de um parecer científico publicado pelo SCCS concluindo que o limite atual não protege suficientemente os consumidores sensibilizados pelo formaldeído.

Read More »
notícias e atualidade

Nova Restrição ao Uso de Benzofenona-3 em Produtos Cosméticos

A Benzofenona-3 foi incluida na lista prioritária de potenciais disruptores endócrinos estabelecida pela Comissão Europeia em 2019. O SCCS foi solicitado a avaliar a segurança deste ingrediente e o Regulamento Europeu de Cosméticos será alterado de acordo com as conclusões da avaliação do Comité.

Read More »
endocrine disruptors
notícias e atualidade

Comissão Europeia Solicita Dados sobre Ingredientes com Potenciais Propriedades de Desregulação Endócrina

As substâncias classificadas como desreguladores endócrinos são compostos que podem alterar o funcionamento do sistema endócrino e afetar negativamente a saúde de humanos e animais. Em 2019, a Comissão Europeia estabeleceu duas listas de ingredientes suspeitos de terem propriedades desreguladoras do sistema endócrino. Mais recentemente, a Comissão publicou um pedido de dados para 10 ingredientes que foram incluídos no grupo de baixa prioridade (Grupo B) para que o SCCS pudesse avaliar a sua segurança.

Read More »
dispositivos médicos

Atualização do Estado da EUDAMED – 2021

O desenvolvimento e implementação da EUDAMED está em andamento. Nesta fase é fundamental seguir o plano de implementação e familiarizar-se com as informações armazenadas nos módulos da base de dados para que seja garantir o seu cumprimento regulamentar pelos operadores económicos no mercado da UE.

Read More »
notícias e atualidade

Estratégia para a Sustentabilidade dos Produtos Químicos da UE

A Estratégia para a Sustentabilidade dos Produtos Químicos foi recentement publicada pela União Europeia. Esta estratégia faz parte do Pacto Ecológico Europeu, que visa um ambiente livre de substâncias tóxicas que conduza à poluição zero. A iniciative propõe uma nova alteração legislative ao Regulamento dos Produtos Cosméticos da UE. A simplificação e digitalização dos requisitos de rotulagem e a revisão da definição de nanomaterial são dois dos objetivos desta estratégia.

Read More »
notícias e atualidade

Nanotecnologia em Produtos Solares

Os nanomateriais são cada vez mais utilizaos ​​em produtos cosméticos. Estes ingredientes são semelhantes a outros químicos/substâncias. Contudo, existem riscos específicos associados à sua utilização. Atualmente, existem 4 nanomateriais aprovados na UE para uso como filtros UV em produtos cosméticos.

Read More »
notícias e atualidade

Posso Utilizar o Butylphenyl Methylpropional em Produtos Cosméticos?

O Butylphenyl Methylpropional, também conhecido como Lilial, é um ingrediente (contido em fragrâncias) que tem sido usado há vários anos em diversos produtos cosméticos e não cosméticos. No entanto, foram expressas algumas preocupações em relação ao uso deste ingrediente e dos seus riscos para os consumidores. Em virtude das alterações introduzidas ao Regulamento CLP em 2020, o uso de Butylphenyl Methylpropional será proibido em produtos cosméticos a partir de 1 de março de 2022.

Read More »
notícias e atualidade

Como São Regulados os Produtos Cosméticos nos Emirados Árabes Unidos?

Os Emirados Árabes Unidos são um mercado emergente para a indústria cosmética. Os cosméticos disponibilizados nos EAU devem cumprir com os requisitos de saúde e segurança estabelecidos na legislação dos Emirados Árabes Unidos. De uma forma geral, o processo de importação de um produto cosmético da União Europeia para o mercado dos Emirados Árabes Unidos pode ser bastante expedito uma vez que os EAU alinharam vários dos seus requisitos com o Regulamento Cosmético Europeu.

Read More »