Contaminação com Benzeno em Productos de Proteção Solar nos EUA
O Benzeno é um produto químico amplamente utilizado em algumas indústrias. No entanto, o Benzeno é também um conhecido cancerígeno humano e, portanto, o seu uso ou presença vestigial em cosméticos e produtos de higiene pessoal não é permitida. Nos EUA, um estudo recente identificou 78 produtos de proteção solar contaminados com benzeno, dando sequência à sua recolha pela FDA de forma a proteger os consumidores.
Liliana Teles

Liliana Teles

BENZENO EM PRODUTOS DE PROTEÇÃO SOLAR NOS EUA

Uma organização de teste e proteção ao consumidor, localizada nos EUA, detetou altos níveis de Benzeno em várias marcas e lotes de protetores solar (classificados como medicamentos pela Food and Drug Administration – FDA) e produtos pós-sol (geralmente regulamentados como cosméticos pela FDA). A empresa analisou 294 lotes exclusivos de 69 empresas diferentes, observando uma variabilidade significativa de lote para lote, mesmo dentro de uma única empresa. De acordo com o estudo, 27% das amostras testadas, representando um total de 78 produtos de proteção solar, continham Benzeno. Alguns lotes continham até três vezes o limite de concentração restrito condicionalmente da FDA (2 ppm). O Benzeno foi detetado em sprays, géis e loções (com formulações químicas e minerais).

Como o Benzeno é um dos carcinogénicos humano mais estudados e preocupantes conhecidos pela ciência, com inúmeros estudos que mostram a sua associação com cancros de sangue em humanos (mesmo em níveis vestigiais de partes por milhão e valores inferiores), a presença deste carcinógeno em produtos amplamente recomendados para a prevenção de cancro de pele, e que são usados ​​regularmente por adultos e crianças, é muito preocupante.

Os autores do estudo estão atualmente a exercer pressão com vista à recolha de todos os lotes contaminados e pedindo à FDA para definir melhor os limites no que toca à contaminação por Benzeno em medicamentos e produtos cosméticos. Em março de 2021, uma petição já tinha sido emitida (Petição do Cidadão 2021) relativamente à contaminação por Benzeno em desinfetante para as mãos e ocorreram várias recolhas de produtos desinfetantes para as mãos que estavam contaminados.

Desde que o relatório foi publicado, a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA começou a investigar a causa principal do Benzeno encontrado nestes produtos de proteção solar. Algumas marcas já começaram a fazer a recolha voluntária dos produtos e aconselharam os consumidores a parar de usar os mesmos. Apesar disso, a agência continuou a aconselhar os consumidores a usarem filtros solares de amplo espectro com FPS 15 ou superior em conjunto com outras medidas de proteção solar.

PERFIL TOXICOLÓGICO DO BENZENO

O Benzeno é um produto químico que pode ser encontrado na natureza e em produtos fabricados. É usado como intermediário químico para fazer diversos produtos químicos industriais. Em laboratórios químicos, são frequentemente usadas quantidades menores como solventes e reagentes. Além disso, o Benzeno é utilizado como constituinte de combustíveis para motores, na extração de óleos de sementes e nozes, no fabrico de detergentes, explosivos e produtos farmacêuticos, por exemplo. O Benzeno é usado como matéria-prima para fragrâncias sintéticas. Níveis residuais de Benzeno podem ser encontrados no fumo de cigarro, gasolina, colas, adesivos, produtos de limpeza e decapantes.

Indivíduos que trabalham em indústrias que fabricam ou utilizam benzeno podem estar expostos a níveis mais elevados deste composto, sendo a exposição ocupacional uma das principais preocupações quanto à toxicidade do benzeno. O fumo do tabaco também contém Benzeno e representa uma das fontes mais significativas de exposição. As pessoas também podem ser expostas ao Benzeno através consumo de água contaminada.

O Benzeno é rapidamente absorvido pela pele quando se encontra nas fases líquida e vapor, conforme foi demonstrado em estudos humanos e experimentais. Embora a absorção cutânea seja mínima quando comparada com a inalação ou absorção oral, pois este volatiliza-se rapidamente na pele, ainda possui efeitos tóxicos associados à exposição cutânea. O benzeno foi irritante para as membranas mucosas dos olhos, boca, trato respiratório e pele em roedores.

A exposição humana ao Benzeno ocorre principalmente por inalação no local de trabalho, a partir de vapores de gasolina, fumo de tabaco e emissões automóveis. As pessoas expostas ao produto químico apresentam depressão da medula óssea (evidenciada por anemia), leucopenia e/ou trombocitopenia. A inalação pode causar sintomas neurológicos como sonolência, tontura, dores de cabeça e inconsciência em humanos. Líquidos e vapores que contêm benzeno irritam a pele, os olhos e o trato respiratório superior. O Benzeno causa aberrações cromossómicas estruturais e numéricas em humanos.

A exposição ao Benzeno pode causar leucemia não linfocítica aguda e outras doenças do sangue (pré-leucemia e anemia aplástica), conforme demonstrado em estudos epidemiológicos em humanos de coortes ocupacionais (altamente expostos). Estudos em humanos e animais experimentais demonstraram que este composto também pode causar hematotoxicidade (alterações no sangue e na medula óssea).

O Benzeno é um “cancerígeno humano conhecido por todas as vias de exposição”, de acordo com a U.S. Agência de Proteção Ambiental (EPA – Environmental Protection Agency). O Benzeno é definido como cancerígeno pelo Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH – National Institute for Occupational Safety and Health), que lista “inalação, absorção pela pele, ingestão, contato com a pele e/ou olhos” como vias de exposição. A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Cancro (IARC – International Agency for Research on Cancer) classifica o benzeno como um cancerígeno humano do Grupo 1.

BENZENO EM PRODUTOS COSMÉTICOS

De acordo com o Regulamento Europeu (CE) nº 1223/2009 sobre os produtos cosméticos, o Benzeno está incluído na lista de substâncias proibidas nos produtos cosméticos (Anexo II). Isto significa que, na União Europeia, o Benzeno não é permitido em cosméticos e produtos de higiene pessoal, pois é classificado como Canvcerígeno Categoria 1A.

Nos EUA, a FDA lista o benzeno como um solvente de Classe 1 “que não deve ser utilizado no fabrico de substâncias medicamentosas. Porém, se o seu uso for inevitável para a produção de um medicamento com significativo avanço terapêutico, então os seus níveis devem ser restringidos”. Para estas situações particulares, o Benzeno é restrito a 2 partes por milhão (ppm).

Devido à sua toxicidade, a FDA determinou que o Benzeno não pode ser usado na produção farmacêutica. No entanto, não há limite de exposição estabelecido para o benzeno, e o limite de 2 ppm só se aplica em circunstâncias especiais.

Se desejar obter mais informações sobre o Benzeno ou outros assuntos relacionados com Regulamento da UE sobre produtos cosméticos, não hesite em contatar-nos em info@criticalcatalyst.com.

Referências:

  1. Valisure Detects Benzene in Suscreen. May 25, 2021. Valisure News. Available from: https://www.valisure.com/blog/valisure-news/valisure-detects-benzene-in-sunscreen/
  2. Toxicological Review of Benzene (Noncancer Effects) – (CAS No. 71-43-2). In Support of Summary Information on the Integrated Risk Information System (IRIS). October 2002. Available from: https://cfpub.epa.gov/ncea/iris/iris_documents/documents/toxreviews/0276tr.pdf
  3. Opinion on the results of the Risk Assessment of: Benzene. Human Health Part. CAS Nº: 71-43-2. EINECS Nº: 200-753-7. Scientific Committee on Toxicity, Ecotoxicity and the Environment (CSTEE). 2003. Available from: https://ec.europa.eu/health/archive/ph_risk/committees/sct/documents/out207_en.pdf

further
reading

drug_device_combination_1
dispositivos médicos

Enquadramento Regulamentar de Combinações Medicamento – Dispositivo Médico

Os avanços tecnológicos continuam a combinar diferentes tipos de produtos e as linhas históricas que separam os dispositivos médicos dos medicamentos são cada vez menos evidentes. Produtos de combinação de medicamentos com dispositivos médicos são regulados pelo Regulamento (UE) 2017/745 (RDM) ou pela Diretiva 2001/83/EC.

Read More »
notícias e atualidade

Opinião Preliminar do SCCS sobre Alpha-Arbutin e Beta-Arbutin

A Alfa-arbutina e a Beta-arbutina são utilizadas em cosméticos com funções antioxidantes, clareadoras e condicionadoras da pele. Após as preocupações levantadas durante a discussão no Working Group on Cosmetic Products e a consequente solicitação de dados sobre estes ingredientes, o SCCS avaliou a segurança da Alfa-arbutina e da Beta-arbutina em produtos cosméticos.

Read More »
notícias e atualidade

Pedido de Parecer Científico do SCCS sobre o Citral

A Comissão Europeia solicitou ao SCCS que avaliasse se os níveis de uso seguro derivados para Citral obtidos através do QRA2, baseados na indução de sensibilização cutânea, são adequados para proteger os consumidores. Foi fixado um prazo de 9 meses para a emissão da opinião científica.

Read More »
notícias e atualidade

Opinião Preliminar do SCCS sobre o Triclocarban e o Triclosan

O Comité Científico da Segurança dos Consumidores (SCCS) da Comissão Europeia publicou a sua versão preliminar do aconselhamento científico sobre a segurança do Triclocarban e Triclosan como substâncias com potentiais propriedades de desregulação endócrina em produtos cosméticos. O prazo para comentários foi fixado a 27 de maio de 2022.

Read More »
notícias e atualidade

Regulamentação de Cosméticos na Comunidade Andina

Na Comunidade Andina (Bolívia, Colômbia, Equador e Peru), os produtos cosméticos são sobretudo regulamentados pela Decisão 833. Todos os produtos cosméticos disponibilizados nestes países devem passar por uma Notificação Sanitária Obrigatória (NSO) e devem ser fabricados de acordo com as Boas Práticas de Fabrico (BPF).

Read More »
notícias e atualidade

Rotulagem de Produtos Cosméticos na União Europeia

O Regulamento (CE) N.º 1223/2009 estabelece as informações obrigatórias que devem ser incluídas na embalagem e recipiente de um produto cosmético. Além desta informação, a maioria dos produtos inclui também determinadas alegações, que devem ser suportadas e devidamente fundamentadas.

Read More »
notícias e atualidade

Alegações Ambientais no Reino Unido

As alegações ambientais são uma tendência nos bens de consumo e serviços. Cada vez mais vemos produtos cosméticos no mercado que afirmam ser ‘amigos do ambiente’ ou que se apresentam como ‘clean beauty’. Mas como podem as empresas garantir ou fundamentar que tais alegações não são enganosas? A Competition and Markets Authority (CMA) do Reino Unido publicou um Green Claims Code, com o objetivo de ajudar as empresas a cumprir com os requisitos legais ao fazer alegações ambientais.

Read More »
notícias e atualidade

Parabenos em Produtos Cosméticos

Os parabenos são amplamento utilizados como conservantes em produtos cosméticos. Ao longo dos anos, têm surgido algumas preocupações relacionadas com o seu uso. O SCCS publicou vários pareces sobre o uso destes ingredientes em produtos cosméticos, indicando quais as concentrações que considera seguras. Na UE, alguns parabenos podem ser utilizados de forma segura como conservantes, enquanto outros são proibidos em produtos cosméticos.

Read More »
notícias e atualidade

O Ficheiro de Informações Sobre o Produto (PIF)

O Ficheiro de Informações sobre o Produto (PIF – Product Information File) é obrigatório para todos os produtos cosméticos colocados no mercado da União Europeia. É um documento que reúne informação técnica do cosmético e que deve ser conservado por um período de 10 anos pela Pessoa Responsável.

Read More »
notícias e atualidade

Como são Regulados os Produtos Cosméticos na Austrália?

O Australian Industrial Chemicals Introduction Scheme (AICIS) é a entidade responsável pelo controlo de produtos cosméticos e sabonetes. Os ingredientes cosméticos são regulados como químicos industriais sob a Lei de Químicos Industriais de 2019 (Industrial Chemicals Act 2019), que é administrada pela AICIS.

Read More »
notícias e atualidade

Proibição de Butylphenyl Methylpropional Adiada no Reino Unido

Devido à sua classificação como tóxico para a reprodução (Repr.1B – CMR 1B), o Butylphenyl Methylpropional passou a ser proibido em produtos cosméticos na União Europeia. Atualmente, este ingrediente ainda pode ser usado (sujeito a restrições) em cosméticos comercializados na Grã-Bretanha. No entanto, a proibição do Butylphenyl Methylpropional é esperada num futuro próximo nestes países.

Read More »