Nanotecnologia em Produtos Cosméticos
A nanotecnologia é um negócio em crescimento por todo o mundo. Os nanomateriais são cada vez mais usados ​​em cosméticos e produtos de higiene pessoal. Os nanomateriais são semelhantes a outros produtos químicos/substâncias, mas existem riscos especificamente associados a nanomateriais e ao seu uso. Na União Europeia, os produtos cosméticos que contêm nanomateriais podem ter de ser notificados pela Pessoa Responsável seis meses antes de serem colocados no mercado.

ENQUANDRAMENTO LEGAL DOS NANOMATERIAS NA UE

De acordo com o Regulamento Europeu (CE) N.º 1223/2009 relativo aos produtos cosméticos, nanomaterial significa “um material insolúvel ou biopersistente, fabricado intencionalmente e dotado de uma ou mais dimensões externas ou de uma estrutura interna, numa escala de 1 a 100 nm”. Esta definição poderá vir a sofrer ajustes e adaptações no futuro por parte da Comissão, tendo em conta o progresso técnico e científico constante no domínio das nanotecnologias.

Deve ser assegurado um elevado nível de protecção da saúde humana relativamente a todos os produtos cosméticos que contenham nanomateriais. Isto significa que, ao notificar um produto cosmético, a presença de substâncias na forma nano deve ser devidamente identificada.

Os produtos cosméticos que contenham nanomateriais devem ser notificados pela Pessoa Responsável (por via eletrónica) seis meses antes da sua colocação no mercado. Devem ser autorizados pela Comissão Europeia antes da sua utilização em produtos cosméticos e de higiene pessoal. Isto não se aplica quando os nanomateriais são usados ​​como corantes, filtros UV ou conservantes e já estão incluídos nos Anexos do Regulamento Europeu (as listas “positivas”).

A notificação de produtos cosméticos contendo nanomateriais deve incluir, pelo menos:
• Identificação do nanomaterial (incluindo a denominação química – IUPAC);
• Especificação do nanomaterial (tamanho das partículas, propriedades físicas e químicas);
• Estimativa da quantidade de nanomaterial contido em produtos cosméticos destinados a ser colocados no mercado anualmente;
• Perfil toxicológico do nanomaterial;
• Dados relativos à segurança do nanomaterial, no que diz respeito à sua utilização nessa categoria de produtos cosméticos;
• Condições de exposição razoavelmente previsíveis.

Se houver dúvidas em relação à segurança de nanomateriais, a Comissão Europeia deve solicitar o parecer do Comité Científico para a Segurança do Consumidor (SCCS – Scientific Committee on Consumer Safety) sobre a segurança desses nanomateriais nas categorias relevantes de produtos cosméticos, nas condições de exposição razoavelmente previsíveis. Tendo em consideração o parecer do SCCS, e sempre que se verifique um risco potencial para a saúde humana, nomeadamente quando os dados disponíveis forem insuficientes, a Comissão deve colocar em prática as medidas de gestão de risco necessárias e pode alterar os Anexos II e III (lista de substâncias proibidas em cosméticos e lista de substâncias que os produtos cosméticos não podem conter fora das restrições previstas).

SEGURANÇA DE NANOMATERIAIS EM COSMÉTICOS

Até agora, as preocupações da Comissão que deram origem aos pedidos dos pareceres do SCCS assentaram nas propriedades intrínsecas dos nanomateriais, enquanto categoria, devido à sua dimensão nanoescala, biopersistência e insolubilidade.

O SCCS analisa os dados toxicológicos apresentados e publica a sua opinião sobre a segurança dos ingredientes em cosméticos. Várias opiniões sobre ingredientes na forma nano foram publicadas pelo SCCS (como colloidal silver, styrene/acrylates polymer, copper and colloidal copper, hydroxyapatite, silica, e outros).

Em março deste ano, o SCCS publicou um parecer científico sobre a segurança dos nanomateriais em cosméticos (SCCS/1618/20). O SCCS identificou certos aspectos dos nanomateriais que constituem uma base para preocupação com a segurança para a saúde dos consumidores quando usados ​​em produtos cosméticos. Aspectos físico-químicos (como as dimensões muito pequenas, solubilidade/persistência, etc.), aspectos de exposição (como frequência e quantidades usadas, etc.) e outros aspectos (como novas propriedades, atividade ou função, etc.) estavam entre os atributos considerados.

Opiniões anteriores inconclusivas sobre três nanomateriais diferentes foram revistas. Com mais informações relevantes disponíveis na literatura publicada, o SCCS identificou certas características relacionadas com cada um dos nanomateriais que levantam preocupações de segurança (descritos nos anexos da opinião).

Resumindo, a nanotecnologia usada em cosméticos pode representar um avanço na inovação, mas por outro lado pode representar um risco para a saúde do consumidor. As empresas de cosméticos que pretendem utilizar nanomateriais (ainda não presentes nos Anexos do Regulamento Europeu de Cosméticos) nos seus produtos devem preparar um dossiê com toda a documentação referente a esses compostos. Este processo pode ser complicado e aumentar os custos para a empresa.

Podemos ajudá-lo a conseguir desenvolver todo este processo com sucesso. Para obter mais informações não hesite em contatar-nos através do email info@criticalcatalyst.com.

Referências:

  1. Regulation (EC) No 1223/2009 of the European Parliament and of the Council of 30 November 2009 on cosmetic products.
  2. Scientific Committee on Consumer Safety (SCCS). Scientific Advice on the safety of nanomaterials in cosmetics (SCCS/1618/20). Available at: https://ec.europa.eu/health/sites/health/files/scientific_committees/consumer_safety/docs/sccs_o_239.pdf

further
reading

notícias e atualidade

Reino Unido propõe proibição de toalhetes húmidos que tenham plástico

A 24 de abril de 2024, o Reino Unido informou a Organização Mundial do Comércio (WTO) sobre uma proposta de regulamentação intitulada The Environmental Protection (Wet Wipes Containing Plastic) (England) Regulations 2024. Esta regulamentação tem como objetivo proibir o fornecimento e a venda de toalhitas humedecidas contendo plástico, incluindo aquelas usadas para cosméticos. O prazo para comentários é até 23 de junho de 2024 e espera-se que o projeto seja adotado em setembro de 2024.

Read More »
dispositivos médicos

Notificações de Segurança em Investigações Clínicas: uma Gap-Analysis das Orientações

As notificações de segurança no âmbito das investigações clínicas em dispositivos médicos são realizadas de acordo com o Artigo n.º 80(2) do RDM. Em maio de 2020, foi publicado o documento MDCG 2020-10/1, definindo os procedimentos para a notificação de segurança no âmbito das investigações clínicas com dispositivos médicos. No entanto, em outubro de 2022, o Grupo de Coordenação dos Dispositivos Médicos (MDCG) publicou uma versão atualizada do documento MDCG 2020-10/1, a orientação MDCG 2020-10/1 Rev 1. Este artigo destaca as atualizações incluídas na nova revisão, analisando as diferenças entre os dois documentos.

Read More »
dispositivos médicos

Responsabilidades de um Mandatário ao abrigo do RDM e RDMDIV  

Caso um fabricante de dispositivos médicos não esteja estabelecido num Estado-Membro da UE, os seus dispositivos só podem ser colocados no mercado da União, caso o fabricante designe um mandatário. O mandatário assume um papel essencial em garantir a conformidade dos dispositivos com a regulamentação da EU, servindo como ponto de contacto. As obrigações e responsabilidades dos mandatários encontram-se no Artigo 11 do RDM e do RDMDIV. No entanto, os requisitos relevantes são clarificados no documento MDCG 2022-16 de outubro de 2022.

Read More »
dispositivos médicos

Ciclo de Vida das Normas ISO

As Normas ISO abrangem um vasto leque de atividades, manifestando o conhecimento de peritos sobre determinados assuntos e proporcionando às entidades reguladoras uma base sólida para uma legislação mais adequada. Existe uma grande diversidade de Normas ISO, que abrangem desde o tamanho dos sapatos que calçamos à qualidade do ar que respiramos. O setor dos dispositivos médicos não é exceção. A ISO apresenta várias Normas Internacionais e orientações que auxiliam o setor a garantir que os dispositivos que chegam ao utilizador são seguros e eficientes e que os requisitos regulamentares nacionais, regionais e internacionais são cumpridos. Mas como é que uma Norma é desenvolvida, revista e revogada?

Read More »
dispositivos médicos

Alteração das Disposições Transitórias do RDM e do RDMDIV da União Europeia

O objetivo da proposta de alteração aos regulamentos é garantir a disponibilização de um vasto leque de dispositivos médicos aos doentes, sem descurar a transição para o novo quadro regulamentar. Esta proposta pretende estender o período transitório (Artigo n.º 120 do RDM), e eliminar os prazos previstos no RDM e RDMDIV da União Eurioeia para o escoamento dos dispositivos (sell-off). Os períodos de extensão serão faseados, dependendo da classe de risco dos dispositivos – dezembro de 2027 para dispositivos de alto risco e dezembro de 2028 para dispositivos de médio e baixo risco.

Read More »
dispositivos médicos

Regulamento de Dispositivos Médicos da União Europeia – Proposta de Extensão do Período de Transição

A transição para o RDM tem sido mais lenta do que o esperado pela Comissão Europeia. A capacidade insuficiente dos organismos notificados e a reduzida prontidão dos fabricantes esteve na base de uma proposta de extensão dos períodos de transição para o RDM, sendo que os prazos dependerão da classe de risco dos dispositivos.

Read More »
dispositivos médicos

MDCG 2022-18 – Artigo 97 do Regulamento de Dispositivos Médicos da União Europeia

O Artigo 97 do Regulamento de Dispositivos Médicos da União Europeia poderá ser uma solução temporária para evitar roturas no fornecimento de dispositivos médicos no mercado da União Europeia.

O documento MDCG 2022-18 apresenta uma abordagem uniforme para a aplicação do Artigo 97 do RDM a dispositivos legacy não-conformes de acordo com as condições definidas pelas autoridades competentes, limitando o impacto no fornecimento de dispositivos médicos seguros e eficientes.

Read More »
dispositivos médicos

Disponibilidade de Dispositivos Médicos na Europa após Implementação do RDM – Resultados do Questionário da Medtech Europe

A implementação do RDM é uma das prioridades para a indústria dos dispositivos médicos, que tem vindo a alocar recursos significativos para assegurar a conformidade com os novos requisitos. Apesar dos esforços, o setor permanece consideravelmente condicionado devido a uma implementação tardia e fragmentada do novo quadro regulamentar.

Read More »