Quasi-Drugs no Japão
No Japão, os produtos cosméticos são regulados pelo Pharmaceutical and Medical Device Act, que estipula os requisitos de conformidade e define duas categorias de produtos: cosméticos e “quasi-drugs” (quase-medicamentos). As quasi-drugs encontram-se entre os produtos farmacêuticos e os cosméticos, tendo ingredientes ativos oficialmente reconhecidos. No final de 2020, o MHLW propôs emendas aos padrões de aprovação de comercialização de produtos medicinais para higiene oral, tintas de cabelo e agentes para ondulação permanente, que foram aprovados e acabaram de entrar em vigor. A Portaria Ministerial de GMP e o novo JSQI também foram aprovados pelo MHLW em 2021.
Liliana Teles

Liliana Teles

REGULAMENTO DE COSMÉTICOS NO JAPÃO

A Pharmaceutical and Medical Device Agency (PMDA, uma agência independente) e o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar (MHLW) são as entidades que regulam os produtos cosméticos que são disponibilizados no mercado japonês. Juntos avaliam a segurança e eficácia das quasi-drugs (quase-medicamentos) e produtos cosméticos. Desde 2014, o Pharmaceutical and Medical Device Act (PMD Act) é o regulamento que se aplica a estes produtos, substituindo a antiga Lei Japonesa de Assuntos Farmacêuticos (JPAL). Este estabelece requisitos de conformidade regulatória para cosméticos e quasi-drugs, definindo e diferenciando essas duas categorias.

De acordo com a regulamentação japonesa, cosméticos são “artigos com ação suave no corpo humano, que se destinam a ser aplicados no corpo humano por meio de fricção, salpico ou outros métodos, com o objetivo de limpar, embelezar e aumentar a atratividade, alterar a aparência ou manter a pele ou o cabelo em boas condições”. Exemplos de produtos considerados cosméticos são: perfume e água-de-colónia; Maquilhagem; cuidados para a pele; cuidados capilares; sabonetes; cosméticos para fins especiais, como protetor solar e creme de barbear.

As quasi-drugs têm princípios ativos oficialmente reconhecidos e são definidos como produtos que: previnem náuseas e outros desconfortos; evitam erupções cutâneas, dor, etc.; encorajam o crescimento ou remoção do cabelo; exterminam e previnem ratos, moscas, mosquitos, pulgas e outros. Produtos como desodorizantes, depilatórios, tratamentos para o crescimento do cabelo, tintas, produtos para permanente e alisamento e cosméticos medicinais (branqueamento, anti-envelhecimento, anti-acne e produtos para pele oleosa) são considerados quasi-drugs no país. As quasi-drugs têm certas limitações relativamente à quantidade de ingrediente que pode ser adicionada à formulação.

Embora o processo de aplicação para conformidade do produto seja semelhante para cosméticos e quasi-drugs, existem requisitos mais rígidos para as quasi-drugs e, consequentemente, para os seus importadores. Os importadores são responsáveis ​​por tudo o que é inerente ao produto e pela garantia da sua qualidade. Estes têm que adquirir uma licença específica (“licença de fabrico e venda de cosméticos”) e, para importar uma quasi-drug, o importador deve ser indicado como titular da autorização de comercialização do medicamento (MAH – Marketing Authorization Holder).

As informações constantes na rotulagem de produtos cosméticos e quasi-drugs devem estar em japonês, com indicação clara e explícita. Informações ou expressões falsas e enganosas e alegações não aprovadas de efeito-eficácia são proibidas.

NOVOS REQUISITOS LEGAIS PARA QUASI-DRUGS

O MHLW aprovou oficialmente a Portaria Ministerial sobre Boas Práticas de Fabrico de Quasi-Drugs e Produtos Farmacêuticos (GMP Ministral Ordinance). Esta refinou os requisitos de conformidade para o fabrico e gestão de qualidade das instalações de fabrico de produtos farmacêuticos e quasi-drugs.

Em março de 2021, foram introduzidos os Padrões Japoneses de Ingredientes para Quasi-Drugs (JSQI 2021 – Japanese Standards of Quasi-drug Ingredients), estabelecendo novas regras de aplicação de quasi-drugs e uma nova lista de aditivos permitidos em quasi-drugs, alterando o JSQI 2006.

Em julho de 2021, entraram em vigor as normas de aprovação de comercialização de produtos medicinais para higiene oral, tintas capilares e agentes para ondulação permanente, aprovando as alterações propostas apresentadas no final de 2020 pelo MHLW.

Uma das alterações foi a modificação da lista de aditivos permitidos em quasi-drugs. Os produtos medicinais para higiene oral foram reclassificados de duas para três classes diferentes e foram estipulados novos regulamentos relativamente aos tipos, especificações e dosagens de ingredientes ativos na nova classe. Também houve modificações nas especificações dos ingredientes ativos em agentes de coloração capilar e agentes para ondulação permanente.

Entrar em mercados diferentes e estar em conformidade com a regulamentação de cosméticos de um país estrangeiro pode ser uma tarefa difícil. ASe desejar mais informações sobre este ou outros assuntos, não hesite em nos contatar em info@criticalcatalyst.com.

Referências:

  1. Japan Revises the Approval Requirements for Quasi-drugs. Chemlinked. Jul 07, 2021. Available from: https://cosmetic.chemlinked.com/news/cosmetic-news/japan-revises-the-approval-requirements-for-quasi-drugs?utm_source=edm
  2. Japan Revises the Standards for Marketing Approval of Some Quasi-drugs. Chemlinked. Dec 14, 2020. Available from: https://cosmetic.chemlinked.com/news/cosmetic-news/japan-revises-the-standards-for-marketing-approval-of-some-quasi-drugs
  3. Breaking! Japan Implements the New Japanese Standards of Quasi-drug Ingredients (JSQI 2021). Chemlinked. Apr 16, 2021. Available from: https://cosmetic.chemlinked.com/news/cosmetic-news/breaking-japan-implements-the-new-japanese-standards-of-quasi-drug-ingredients-jsqi-2021

further
reading

drug_device_combination_1
dispositivos médicos

Enquadramento Regulamentar de Combinações Medicamento – Dispositivo Médico

Os avanços tecnológicos continuam a combinar diferentes tipos de produtos e as linhas históricas que separam os dispositivos médicos dos medicamentos são cada vez menos evidentes. Produtos de combinação de medicamentos com dispositivos médicos são regulados pelo Regulamento (UE) 2017/745 (RDM) ou pela Diretiva 2001/83/EC.

Read More »
notícias e atualidade

Opinião Preliminar do SCCS sobre Alpha-Arbutin e Beta-Arbutin

A Alfa-arbutina e a Beta-arbutina são utilizadas em cosméticos com funções antioxidantes, clareadoras e condicionadoras da pele. Após as preocupações levantadas durante a discussão no Working Group on Cosmetic Products e a consequente solicitação de dados sobre estes ingredientes, o SCCS avaliou a segurança da Alfa-arbutina e da Beta-arbutina em produtos cosméticos.

Read More »
notícias e atualidade

Pedido de Parecer Científico do SCCS sobre o Citral

A Comissão Europeia solicitou ao SCCS que avaliasse se os níveis de uso seguro derivados para Citral obtidos através do QRA2, baseados na indução de sensibilização cutânea, são adequados para proteger os consumidores. Foi fixado um prazo de 9 meses para a emissão da opinião científica.

Read More »
notícias e atualidade

Opinião Preliminar do SCCS sobre o Triclocarban e o Triclosan

O Comité Científico da Segurança dos Consumidores (SCCS) da Comissão Europeia publicou a sua versão preliminar do aconselhamento científico sobre a segurança do Triclocarban e Triclosan como substâncias com potentiais propriedades de desregulação endócrina em produtos cosméticos. O prazo para comentários foi fixado a 27 de maio de 2022.

Read More »
notícias e atualidade

Regulamentação de Cosméticos na Comunidade Andina

Na Comunidade Andina (Bolívia, Colômbia, Equador e Peru), os produtos cosméticos são sobretudo regulamentados pela Decisão 833. Todos os produtos cosméticos disponibilizados nestes países devem passar por uma Notificação Sanitária Obrigatória (NSO) e devem ser fabricados de acordo com as Boas Práticas de Fabrico (BPF).

Read More »
notícias e atualidade

Rotulagem de Produtos Cosméticos na União Europeia

O Regulamento (CE) N.º 1223/2009 estabelece as informações obrigatórias que devem ser incluídas na embalagem e recipiente de um produto cosmético. Além desta informação, a maioria dos produtos inclui também determinadas alegações, que devem ser suportadas e devidamente fundamentadas.

Read More »
notícias e atualidade

Alegações Ambientais no Reino Unido

As alegações ambientais são uma tendência nos bens de consumo e serviços. Cada vez mais vemos produtos cosméticos no mercado que afirmam ser ‘amigos do ambiente’ ou que se apresentam como ‘clean beauty’. Mas como podem as empresas garantir ou fundamentar que tais alegações não são enganosas? A Competition and Markets Authority (CMA) do Reino Unido publicou um Green Claims Code, com o objetivo de ajudar as empresas a cumprir com os requisitos legais ao fazer alegações ambientais.

Read More »
notícias e atualidade

Parabenos em Produtos Cosméticos

Os parabenos são amplamento utilizados como conservantes em produtos cosméticos. Ao longo dos anos, têm surgido algumas preocupações relacionadas com o seu uso. O SCCS publicou vários pareces sobre o uso destes ingredientes em produtos cosméticos, indicando quais as concentrações que considera seguras. Na UE, alguns parabenos podem ser utilizados de forma segura como conservantes, enquanto outros são proibidos em produtos cosméticos.

Read More »
notícias e atualidade

O Ficheiro de Informações Sobre o Produto (PIF)

O Ficheiro de Informações sobre o Produto (PIF – Product Information File) é obrigatório para todos os produtos cosméticos colocados no mercado da União Europeia. É um documento que reúne informação técnica do cosmético e que deve ser conservado por um período de 10 anos pela Pessoa Responsável.

Read More »
notícias e atualidade

Como são Regulados os Produtos Cosméticos na Austrália?

O Australian Industrial Chemicals Introduction Scheme (AICIS) é a entidade responsável pelo controlo de produtos cosméticos e sabonetes. Os ingredientes cosméticos são regulados como químicos industriais sob a Lei de Químicos Industriais de 2019 (Industrial Chemicals Act 2019), que é administrada pela AICIS.

Read More »
notícias e atualidade

Proibição de Butylphenyl Methylpropional Adiada no Reino Unido

Devido à sua classificação como tóxico para a reprodução (Repr.1B – CMR 1B), o Butylphenyl Methylpropional passou a ser proibido em produtos cosméticos na União Europeia. Atualmente, este ingrediente ainda pode ser usado (sujeito a restrições) em cosméticos comercializados na Grã-Bretanha. No entanto, a proibição do Butylphenyl Methylpropional é esperada num futuro próximo nestes países.

Read More »