O Uso de Fenoxietanol é Seguro em Todos os Produtos Cosméticos?
O Fenoxietanol é um conservante frequentemente utilizado em produtos cosméticos por todo o mundo. Este ingrediente foi sujeito a várias avaliações de segurança e a maioria concluiu quer era seguro nos seus usos atuais mais frequentes. No entanto, foram levantadas algumas preocupações pela Agência Francesa ANSM, nomeadamente no que diz respeito à sua utilização em produtos destinados à zona da fralda para crianças com menos de 3 anos.

O FENOXIETANOL COMO INGREDIENTE

O Fenoxietanol, também conhecido como 2-fenoxietanol, é éter glicólico, utilizado frequentemente como conservante em cosméticos e produtos de higiene pessoal desde a década de 1950. Este composto pode ser encontrado de forma natural (ex. no chá verde), mas é geralmente sintetizado para uso comercial. Possui um amplo espectro de atividade antimicrobiana, sendo eficaz contra diversas bactérias Gram-negativas e Gram-positivas e também contra leveduras.

De acordo com o Regulamento Europeu (CE) Nº 1223/2009 (relativo aos produtos cosméticos), o Fenoxietanol está incluído na lista de conservantes autorizados nos produtos cosméticos (Anexo V). É permitido como conservante em formulações cosméticas na concentração máxima de 1,0%.

O Fenoxietanol é usado numa ampla variedade de produtos cosméticos não enxaguados e a sua segurança foi revista por vários especialistas em todo o mundo (por exemplo, SCCS, CIR, etc.).

AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA DO FENOXIETANOL

Em 2012, uma avaliação de risco apresentada pela agência francesa ANSM (Agence Nationale de Sécurité des Médicaments et des Produits de Santé) expressou a preocupação relativamente ao uso deste ingrediente e a concentração máxima permitida do mesmo. A Cosmetics Europe apresentou um dossiê e dados de segurança à Comissão Europeia (em 2013 e 2014), defendendo que o uso atual de Fenoxietanol como conservante (e a sua concentração máxima) era seguro.

Em 2016, o Comité Científico de Segurança do Consumidor (SCCS – Scientific Committee on Consumer Safety) da Comissão Europeia publicou um parecer sobre o Fenoxietanol. O Comité concluiu que este ingrediente era “seguro para uso como conservante numa concentração máxima de 1,0%, tendo em consideração as informações fornecidas”. O Fenoxietanol foi considerado seguro para crianças de todas as idades, quando de acordo com essas condições. A opinião do SCCS não teve em consideração a exposição a outras fontes além de cosméticos.

O SCCS concluiu que, embora a sensibilização de contato ao Fenoxietanol tenha sido documentada, esta é rara e o risco de sensibilização é muito baixo. Pode-se considerar que o Fenoxietanol não tem potencial genotóxico in vivo e não apresenta risco genotóxico para os seres humanos.

O Painel de Especialistas da Cosmetic Ingredient Review (CIR) também avaliou a segurança do Fenoxietanol e concluiu que ele era seguro nas práticas atuais de uso e concentrações descritas no relatório. Em 2011, o Painel analisou novos dados (novos estudos disponíveis e informações atualizadas sobre os tipos de produto e concentração de uso) e decidiu não reabrir a avaliação de segurança, reafirmando a conclusão acima mencionada.

De acordo com o relatório do CIR, o Fenoxietanol não mostrou irritação primária ou sensibilização e não foi fototóxico em estudos clínicos. O Fenoxietanol não foi teratogénico, embriotóxico ou fetotóxico em estudos dérmicos. Quando testado num teste de Ames, este ingrediente não foi mutagénico na presença ou ausência de ativação metabólica. Foi considerado praticamente não tóxico quando administrado por via oral ou cutânea em ratos.

OPINIÕES CONTROVERSAS

Alguns éteres de glicol (como o éter etilenoglicol ou éter metílico do etilenoglicol) são proibidos em produtos cosméticos porque demonstraram causar efeitos tóxicos na reprodução. Embora tenham sido levantadas algumas preocupações relativamente à segurança do Fenoxietanol e a sua semelhança com toda a família dos éteres de glicol, as propriedades (físicas e químicas) do Fenoxietanol são diferentes das propriedades dos ingredientes dessa família. Esta substância não foi classificada como tóxica para a reprodução de acordo com o Regulamento CLP ((CE) Nº 1272/2008). A Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA – Environmental Protection Agency) determinou em 2015 (através de seu Endocrine Disruptor Screening) que o Fenoxietanol não possui atividade estrogénica.

Embora o SCCS tenha concluído que o Fenoxietanol era seguro quando usado como conservante (na concentração máxima de 1,0%) em produtos cosméticos, inclusive para crianças de todas as idades, a Agência Francesa ASNM recomendou que este ingrediente não fosse usado como conservante em produtos destinados a serem aplicados na zona da fralda (incluindo toalhetes húmidos) de crianças com menos de 3 anos. A opinião francesa baseou-se no cálculo do pior cenário para a exposição agregada, que incluiu os cinco produtos cosméticos mais usados ​​em crianças francesas. No entanto, quando os produtos destinados à zona da fralda e toalhitas não foram incluídos no cálculo da exposição, a ANSM considerou que o Fenoxietanol era seguro como ingrediente cosmético para toda a população (incluindo crianças menores de 3 anos, na concentração máxima de 1%).

Após a publicação do parecer do SCCS, a ANSM pretendeu continuar as suas investigações e constituir uma Comissão Especializada Temporária (CSST) constituída por especialistas de diferentes áreas (toxicologia, epidemiologia, dermatologia e alergologia). O Comité concluiu que “a recomendação de 2012 para a não utilização de fenoxietanol em produtos cosméticos destinados às nádegas deve ser mantida. É aconselhável estendê-lo para toalhetes, muito comumente usados ​​para limpar a zona da fralda de crianças pequenas. Em todos os outros produtos cosméticos destinados a crianças de 3 anos de idade ou menos, a concentração máxima de fenoxietanol pode permanecer em 1%”.

Em março de 2019, a ANSM publicou no seu site que era obrigatório, como medida de precaução, que todos os fabricantes de cosméticos enxaguados (exceto desodorizantes, produtos para cabelo e maquilhagem), que contivessem Fenoxietanol, indicassem no rótulo que estes produtos não devem ser usados ​​na zona da fralda de crianças com idade inferior a 3 anos.

Todos os produtos disponibilizados no mercado francês devem obedecer a esta decisão, salvo decisão em contrário da Comissão Europeia. A Comissão pode decidir que as medidas tomadas a nível nacional se justificam e alargá-las a todos os países da UE, alterando os anexos do Regulamento. Se forem considerados injustificados, a autoridade francesa provavelmente terá de revogá-los.

Se tiver alguma dúvida ou desejar obter mais informações sobre este ou outros assuntos, não hesite em nos contactar através do email info@criticalcatalyst.com.

Referências:

  1. Regulation (EC) No 1223/2009 of the European Parliament and of the Council of 30 November 2009 on cosmetic products.
  2. Scientific Committee on Consumer Safety (SCCS). Opinion on Phenoxyethanol. 2016. Available at: https://ec.europa.eu/health/scientific_committees/consumer_safety/docs/sccs_o_195.pdf
  3. Cosmetic Ingredient Review (CIR) Expert Panel. Final Report on the Safety Assessment of Phenoxyethanol. Journal of the American College of Toxicology. Volume 9, Number 2, 1990.
  4. Agence nationale de sécurité du medicament et des produits de santé (ANSM). Décision du 13 Mars 2019 fixant des conditions particulières d’utilisation des produits cosmétiques non rincés contenant du phenoxyethanol en précisant sur leur étiquetage qu’ils ne peuvent pas être utilizes sur le siège des enfants de 3 ans ou moins. 2019.

further
reading

notícias e atualidade

Reino Unido propõe proibição de toalhetes húmidos que tenham plástico

A 24 de abril de 2024, o Reino Unido informou a Organização Mundial do Comércio (WTO) sobre uma proposta de regulamentação intitulada The Environmental Protection (Wet Wipes Containing Plastic) (England) Regulations 2024. Esta regulamentação tem como objetivo proibir o fornecimento e a venda de toalhitas humedecidas contendo plástico, incluindo aquelas usadas para cosméticos. O prazo para comentários é até 23 de junho de 2024 e espera-se que o projeto seja adotado em setembro de 2024.

Read More »
dispositivos médicos

Notificações de Segurança em Investigações Clínicas: uma Gap-Analysis das Orientações

As notificações de segurança no âmbito das investigações clínicas em dispositivos médicos são realizadas de acordo com o Artigo n.º 80(2) do RDM. Em maio de 2020, foi publicado o documento MDCG 2020-10/1, definindo os procedimentos para a notificação de segurança no âmbito das investigações clínicas com dispositivos médicos. No entanto, em outubro de 2022, o Grupo de Coordenação dos Dispositivos Médicos (MDCG) publicou uma versão atualizada do documento MDCG 2020-10/1, a orientação MDCG 2020-10/1 Rev 1. Este artigo destaca as atualizações incluídas na nova revisão, analisando as diferenças entre os dois documentos.

Read More »
dispositivos médicos

Responsabilidades de um Mandatário ao abrigo do RDM e RDMDIV  

Caso um fabricante de dispositivos médicos não esteja estabelecido num Estado-Membro da UE, os seus dispositivos só podem ser colocados no mercado da União, caso o fabricante designe um mandatário. O mandatário assume um papel essencial em garantir a conformidade dos dispositivos com a regulamentação da EU, servindo como ponto de contacto. As obrigações e responsabilidades dos mandatários encontram-se no Artigo 11 do RDM e do RDMDIV. No entanto, os requisitos relevantes são clarificados no documento MDCG 2022-16 de outubro de 2022.

Read More »
dispositivos médicos

Ciclo de Vida das Normas ISO

As Normas ISO abrangem um vasto leque de atividades, manifestando o conhecimento de peritos sobre determinados assuntos e proporcionando às entidades reguladoras uma base sólida para uma legislação mais adequada. Existe uma grande diversidade de Normas ISO, que abrangem desde o tamanho dos sapatos que calçamos à qualidade do ar que respiramos. O setor dos dispositivos médicos não é exceção. A ISO apresenta várias Normas Internacionais e orientações que auxiliam o setor a garantir que os dispositivos que chegam ao utilizador são seguros e eficientes e que os requisitos regulamentares nacionais, regionais e internacionais são cumpridos. Mas como é que uma Norma é desenvolvida, revista e revogada?

Read More »
dispositivos médicos

Alteração das Disposições Transitórias do RDM e do RDMDIV da União Europeia

O objetivo da proposta de alteração aos regulamentos é garantir a disponibilização de um vasto leque de dispositivos médicos aos doentes, sem descurar a transição para o novo quadro regulamentar. Esta proposta pretende estender o período transitório (Artigo n.º 120 do RDM), e eliminar os prazos previstos no RDM e RDMDIV da União Eurioeia para o escoamento dos dispositivos (sell-off). Os períodos de extensão serão faseados, dependendo da classe de risco dos dispositivos – dezembro de 2027 para dispositivos de alto risco e dezembro de 2028 para dispositivos de médio e baixo risco.

Read More »
dispositivos médicos

Regulamento de Dispositivos Médicos da União Europeia – Proposta de Extensão do Período de Transição

A transição para o RDM tem sido mais lenta do que o esperado pela Comissão Europeia. A capacidade insuficiente dos organismos notificados e a reduzida prontidão dos fabricantes esteve na base de uma proposta de extensão dos períodos de transição para o RDM, sendo que os prazos dependerão da classe de risco dos dispositivos.

Read More »
dispositivos médicos

MDCG 2022-18 – Artigo 97 do Regulamento de Dispositivos Médicos da União Europeia

O Artigo 97 do Regulamento de Dispositivos Médicos da União Europeia poderá ser uma solução temporária para evitar roturas no fornecimento de dispositivos médicos no mercado da União Europeia.

O documento MDCG 2022-18 apresenta uma abordagem uniforme para a aplicação do Artigo 97 do RDM a dispositivos legacy não-conformes de acordo com as condições definidas pelas autoridades competentes, limitando o impacto no fornecimento de dispositivos médicos seguros e eficientes.

Read More »
dispositivos médicos

Disponibilidade de Dispositivos Médicos na Europa após Implementação do RDM – Resultados do Questionário da Medtech Europe

A implementação do RDM é uma das prioridades para a indústria dos dispositivos médicos, que tem vindo a alocar recursos significativos para assegurar a conformidade com os novos requisitos. Apesar dos esforços, o setor permanece consideravelmente condicionado devido a uma implementação tardia e fragmentada do novo quadro regulamentar.

Read More »