Enquadramento Regulamentar de Produtos Cosméticos na Coreia do Sul
Os produtos cosméticos sul-coreanos estão entre os produtos mais populares na indústria da beleza, representando um dos principais mercados globais de produtos cosméticos. Mas como é que estes produtos são regulamentados na Coreia do Sul? A segurança é um dos principais objetivos das regulamentações sul-coreanas de cosméticos e o país continua a alinhar as suas regulamentações com as da União Europeia.
Marta Pinto

Marta Pinto

Consultora Assuntos Regulamentares

ENQUADRAMENTO LEGAL DOS PRODUTOS COSMÉTICOS NA COREIA DO SUL

Na Coreia do Sul, o Cosmetics Act representa a principal estrutura regulamentar legal para os produtos cosméticos. Existem outros regulamentos, normas e documentos de orientação que apoiam esta Lei e que permitem ao país ter um quadro abrangente para gerir este tipo de produtos. O Cosmetics Act providencia padrões para o fabrico, importação e venda de cosméticos e ingredientes cosméticos, incluindo requisitos detalhados para a rotulagem e publicidade de produtos. O Ministério de Alimentos e Segurança de Medicamentos (MFDS – Ministry of Food and Drug Safety) é a autoridade competente que promulga e executa as regulamentações cosméticas na Coreia do Sul, sendo responsável pela promulgação das regulamentações cosméticas e pelo registo de produtos funcionais. A South Korean Pharmaceutical Traders Association (KPTA) é responsável por emitir aprovações de importação de cosméticos e supervisionar o comércio de cosméticos.

De acordo com o Cosmetics Act, os produtos cosméticos são definidos como “produtos/artigos destinados a serem aplicados no corpo humano por fricção, pulverização ou outros meios, com o fim de limpá-lo, embelezá-lo, torná-lo mais atraente, melhorar a sua aparência, manter ou melhorar o estado de saúde da pele ou do cabelo, e que tem efeitos supericiais”.

Os cosméticos são divididos em cosméticos gerais e cosméticos funcionais. Os cosméticos funcionais são produtos que ajudam a melhorar ou alterar funcionalmente a condição da pele e do cabelo. Exemplos de cosméticos funcionais são: produtos de branqueamento; produtos anti-rugas; protetores solares; tintas de cabelo; agentes de depilação; produtos para o acne; etc.

Os cosméticos gerais estão sujeitos a fiscalização pós-comercialização e podem ser fabricados/importados sem registo. Por outro lado, os cosméticos funcionais devem passar por um complexo processo de registo para obter uma carta de aprovação do MFDS antes que os processos de fabrico ou importação possam ser feitos. Além disso, os importadores de produtos cosméticos também devem obter a aprovação da South Korean Pharmaceuticals Traders Association (KPTA).

A empresa deve registar-se para o tipo de negócio de cosméticos que pretende antes de realizar qualquer operação comercial relacionada com produtos cosméticos. Se uma empresa deseja fabricar cosméticos, tem que se registar como “fabricante”. Mas se quiser importar produtos cosméticos, a empresa deve ser registada como um “titular de autorização de comercialização” (MAH – Marketing Authorization Holder). Quando uma empresa deseja realizar atividades associadas a cosméticos funcionais, esta precisa de ser registada como MAH. O MAH tem várias responsabilidades: registo do produto, segurança, qualidade, rotulagem, publicidade, alegações cosméticas, despachos alfandegários e outras atividades regulamentares. Um supervisor cosmético (com qualificações e treino específicos) deve ser designado pelo MAH e registado no MFDS.

ROTULAGEM, ALEGAÇÕES E TESTES

Devem ser utilizados recipientes e embalagens seguras, ​​de forma a prevenir o envenenamento de crianças por uso indevido. As informações necessárias que devem constar no rótulo dependem da categoria do cosmético e do volume do mesmo, entre outros fatores. O nome do produto, o nome do MAH, a data de validade e o número do lote são obrigatórios no rótulo de todos os produtos.

O MFDS estabelece alguns requisitos estritos para alegaçõess feitas para cosméticos funcionais. Por exemplo, se um produto for aprovado como “antirrugas”, este pode fazer afirmações como “antirrugas”, “linhas finas” e outras, mas não pode alegar “antienvelhecimento”. As alegações de “clareamento/branqueamento” podem ser feitas se um cosmético for aprovado como produto de branqueamento. Se um produto não for aprovado como um produto funcional de “branqueamento”, este apenas poderá fazer declarações como “clareamento” ou “branqueamento”.

Alguns ingredientes já foram aprovados pelo MFDS para uso em certos cosméticos funcionais (com limitações). Isto significa que se um fabricante ou importador deseja disponibilizar no mercado um cosmético funcional que contenha apenas ingredientes aprovados (para aquele tipo específico de cosmético funcional), ele não tem que fornecer dados clínicos e de eficácia e a aprovação de tal produto demora cerca de 7 dias (“procedimento de submissão”). Caso o fabricante/importador deseje utilizar ingredientes não aprovados, este deve apresentar dados clínicos e de eficácia, identificando os princípios ativos, ao solicitar a aprovação do MFDS. Este “processo de aprovação” pode demorar 4 a 6 meses para ser concluído.

Após aprovação do MFDS (e KPTA para produtos importados) e de acordo com o tipo de produto cosmético, o mesmo deverá ser submetido a testes laboratoriais realizados em território sul-coreano.

CERTIFICAÇÃO DE MATERIAIS NATURAIS NA COREIA DO SUL

Em julho de 2019, o MFDS implementou os Regulamentos sobre as Normas de Produtos Cosméticos Naturais e Orgânicos. Este Regulamento especifica as definições de “orgânico” e “natural”, ingredientes permitidos, processos de fabrico e requisitos para a entidade empresarial. Por exemplo, a concentração de matérias-primas naturais deve exceder os 95% num cosmético natural. Os cosméticos orgânicos, além da concentração de 95% em matérias-primas naturais, devem conter mais de 10% de ingredientes orgânicos.

Em janeiro de 2021, a Coreia do Sul introduziu um novo mecanismo de certificação, que inspeciona as matérias-primas em vez dos produtos finais. Foi reduzia a preparação necessária no que toca à documentação e, consequentemente, o trabalho da indústria fica mais fácil.

Além da certificação natural e orgânica sul-coreana, as empresas podem optar por seguir outros padrões/certificações, como o COSMOS (consulte a nossa publicação sobre cosméticos naturais e orgânicos).

2021 – ATUALIZAÇÃO NO REGULAMENTO COSMÉTICO DA COREIA DO SUL

O MFDS atualizou recentemente o regulamento de cosméticos. A adição de algumas categorias de produtos (por exemplo, barras de sabonetes de beleza, cera de depilação) e a simplificação do processo de registo de alguns cosméticos funcionais (de branqueamento, antirrugas, queda de cabelo e tintas de cabelo que contenham determinados ingredientes) são dois exemplos de mudanças introduzidas. Além disso, os produtos funcionais já não podem fazer qualquer tipo de alegações relacionadas com pele atópica, já que o termo “atópico” agora só pode ser usado na categoria de produtos farmacêuticos.

Embora as regulamentações de cosméticos da Coreia do Sul e da União Europeia visem principalmente a segurança dos consumidores, estas ainda apresentam diferenças significativas. Por exemplo, alguns produtos cosméticos na UE não correspondem à definição de produtos cosméticos na Coreia do Sul e vice-versa. Como este país representa um mercado emergente e popular para marcas da UE, surgem novas oportunidades para fabricantes e importadores. É essencial estar atualizado e entender as regulamentações sul-coreanas de cosméticos antes de entrar neste mercado altamente competitivo.

A nossa empresa conta com uma equipa de especialistas regulamentares que podem auxiliá-lo neste processo. Não hesite em contatar-nos em info@criticalcatalyst.com.

Referências:

  1. Cosmetics Act 17250 (Apr 7, 2020). Ministry of Food and Drug Safety. South Korea. Available at: https://cosmetic.chemlinked.com/database/view/1008
  2. South Korea Cosmetic Regulation. Chemlinked. Aug 07, 2020. Available at: https://cosmetic.chemlinked.com/cosmepedia/south-korea-cosmetic-regulation

further
reading

drug_device_combination_1
dispositivos médicos

Enquadramento Regulamentar de Combinações Medicamento – Dispositivo Médico

Os avanços tecnológicos continuam a combinar diferentes tipos de produtos e as linhas históricas que separam os dispositivos médicos dos medicamentos são cada vez menos evidentes. Produtos de combinação de medicamentos com dispositivos médicos são regulados pelo Regulamento (UE) 2017/745 (RDM) ou pela Diretiva 2001/83/EC.

Read More »
notícias e atualidade

Opinião Preliminar do SCCS sobre Alpha-Arbutin e Beta-Arbutin

A Alfa-arbutina e a Beta-arbutina são utilizadas em cosméticos com funções antioxidantes, clareadoras e condicionadoras da pele. Após as preocupações levantadas durante a discussão no Working Group on Cosmetic Products e a consequente solicitação de dados sobre estes ingredientes, o SCCS avaliou a segurança da Alfa-arbutina e da Beta-arbutina em produtos cosméticos.

Read More »
notícias e atualidade

Pedido de Parecer Científico do SCCS sobre o Citral

A Comissão Europeia solicitou ao SCCS que avaliasse se os níveis de uso seguro derivados para Citral obtidos através do QRA2, baseados na indução de sensibilização cutânea, são adequados para proteger os consumidores. Foi fixado um prazo de 9 meses para a emissão da opinião científica.

Read More »
notícias e atualidade

Opinião Preliminar do SCCS sobre o Triclocarban e o Triclosan

O Comité Científico da Segurança dos Consumidores (SCCS) da Comissão Europeia publicou a sua versão preliminar do aconselhamento científico sobre a segurança do Triclocarban e Triclosan como substâncias com potentiais propriedades de desregulação endócrina em produtos cosméticos. O prazo para comentários foi fixado a 27 de maio de 2022.

Read More »
notícias e atualidade

Regulamentação de Cosméticos na Comunidade Andina

Na Comunidade Andina (Bolívia, Colômbia, Equador e Peru), os produtos cosméticos são sobretudo regulamentados pela Decisão 833. Todos os produtos cosméticos disponibilizados nestes países devem passar por uma Notificação Sanitária Obrigatória (NSO) e devem ser fabricados de acordo com as Boas Práticas de Fabrico (BPF).

Read More »
notícias e atualidade

Rotulagem de Produtos Cosméticos na União Europeia

O Regulamento (CE) N.º 1223/2009 estabelece as informações obrigatórias que devem ser incluídas na embalagem e recipiente de um produto cosmético. Além desta informação, a maioria dos produtos inclui também determinadas alegações, que devem ser suportadas e devidamente fundamentadas.

Read More »
notícias e atualidade

Alegações Ambientais no Reino Unido

As alegações ambientais são uma tendência nos bens de consumo e serviços. Cada vez mais vemos produtos cosméticos no mercado que afirmam ser ‘amigos do ambiente’ ou que se apresentam como ‘clean beauty’. Mas como podem as empresas garantir ou fundamentar que tais alegações não são enganosas? A Competition and Markets Authority (CMA) do Reino Unido publicou um Green Claims Code, com o objetivo de ajudar as empresas a cumprir com os requisitos legais ao fazer alegações ambientais.

Read More »
notícias e atualidade

Parabenos em Produtos Cosméticos

Os parabenos são amplamento utilizados como conservantes em produtos cosméticos. Ao longo dos anos, têm surgido algumas preocupações relacionadas com o seu uso. O SCCS publicou vários pareces sobre o uso destes ingredientes em produtos cosméticos, indicando quais as concentrações que considera seguras. Na UE, alguns parabenos podem ser utilizados de forma segura como conservantes, enquanto outros são proibidos em produtos cosméticos.

Read More »
notícias e atualidade

O Ficheiro de Informações Sobre o Produto (PIF)

O Ficheiro de Informações sobre o Produto (PIF – Product Information File) é obrigatório para todos os produtos cosméticos colocados no mercado da União Europeia. É um documento que reúne informação técnica do cosmético e que deve ser conservado por um período de 10 anos pela Pessoa Responsável.

Read More »
notícias e atualidade

Como são Regulados os Produtos Cosméticos na Austrália?

O Australian Industrial Chemicals Introduction Scheme (AICIS) é a entidade responsável pelo controlo de produtos cosméticos e sabonetes. Os ingredientes cosméticos são regulados como químicos industriais sob a Lei de Químicos Industriais de 2019 (Industrial Chemicals Act 2019), que é administrada pela AICIS.

Read More »
notícias e atualidade

Proibição de Butylphenyl Methylpropional Adiada no Reino Unido

Devido à sua classificação como tóxico para a reprodução (Repr.1B – CMR 1B), o Butylphenyl Methylpropional passou a ser proibido em produtos cosméticos na União Europeia. Atualmente, este ingrediente ainda pode ser usado (sujeito a restrições) em cosméticos comercializados na Grã-Bretanha. No entanto, a proibição do Butylphenyl Methylpropional é esperada num futuro próximo nestes países.

Read More »