Como São Regulados os Produtos Cosméticos nos Emirados Árabes Unidos?
Os Emirados Árabes Unidos são um mercado emergente para a indústria cosmética. Os cosméticos disponibilizados nos EAU devem cumprir com os requisitos de saúde e segurança estabelecidos na legislação dos Emirados Árabes Unidos. De uma forma geral, o processo de importação de um produto cosmético da União Europeia para o mercado dos Emirados Árabes Unidos pode ser bastante expedito uma vez que os EAU alinharam vários dos seus requisitos com o Regulamento Cosmético Europeu.

VISÃO GERAL DA REGULAMENTAÇÃO COSMÉTICA NOS EAU

A Autoridade de Padronização e Metrologia dos Emirados (Emirates Authority for Standardization and Metrology – ESMA) é a entidade responsável por redigir os regulamentos e definir os seus requisitos a nível federal, regulamentando e supervisionando o setor de cuidados pessoais no país. A fiscalização e vigilância do mercado são de responsabilidade dos Municípios (um para cada Emirado).

Os produtos cosméticos devem cumprir com os requisitos de saúde e segurança definidos na GSO 1943/2016 (Cosmetic Products – Safety Requirements of Cosmetic and Personal Care Products). O regulamento de cosméticos dos Emirados Árabes Unidos (EAU) aplica-se a todos os produtos cosméticos fornecidos ou vendidos no país.

De acordo com o Regulamento, um produto cosmético é definido como “qualquer substância ou mistura feita para o uso e contato com órgãos externos e partes do corpo (como pele, cabelo, unhas, lábios, dentes, genitais ou mucosa da cavidade oral) com o objetivo de limpar ou perfumar, mudar a sua aparência, ou realçar o seu cheiro, ou protegê-los ou mantê-los na melhor forma ”. Os produtos médicos (usados ​​para curar doenças) e os dispositivos e ferramentas que acompanham os cosméticos estão excluídos do âmbito da Lei dos Cosméticos.

O Emirates Conformity Assessment Scheme (ECAS) é um esquema de certificação de produto implementado pela ESMA, para todos os produtos cosméticos importados e fabricados (localmente). Antes dos produtos serem disponibilizados no mercado dos Emirados Árabes Unidos (importados ou fabricados localmente), o ECAS garante que estes seguem os padrões técnicos aplicáveis ​​(relacionados com a saúde, embalagem, rotulagem e metrologia). Se o produto cosmético for conforme, a ESMA emite um Certificado de Conformidade ECAS. Sem este certificado, um produto não tem permissão para entrar no país ou ser distribuído.

Depois de obter o certificado, os produtos cosméticos devem ser registados no Município relevante (no qual o produto está destinadp a ser vendido) e na ESMA. Se por um lado o registo municipal permite que o produto seja comercializado na cadeia de retalho, por outro, o registo ESMA permite que o produto seja importado para o país, no porto de entrada. Apenas uma empresa constituída nos EAU pode realizar o processo de registo (por exemplo, importador local, fabricante, distribuidor). Portanto, é necessário um representante local para o registo, pois é necessário que a empresa esteja registada localmente com uma licença de “comércio geral” para registar produtos nos EAU.

O processo de registo permite que o órgão da Seção de Segurança de Produtos de Consumo (Consumer Products Safety Section – CPSS) reúna todas as informações necessárias para determinar a segurança de um produto cosmético. Só é possível fabricar, importar, exportar, promover ou distribuir um produto cosmético nos Emirados Árabes Unidos se o mesmo for registado e estiver em conformidade com os regulamentos.

Quando o processo de registo é concluído, o processo de inscrição é o passo seguinte. Um formulário de inscrição é enviado junto com as seguintes informações:

  • Imagem e arte do produto, ilustrando as informações necessárias (incluindo prazo de validade, número de lote, período após a abertura);
  • Certificado de Venda Livre (Free Sale Certificate) do país de origem (produtos importados);
  • Relatório de Análise e de Ingredientes da empresa fabricante (além das análises físicas, químicas e microbiológicas do produto, informações detalhadas sobre os seus componentes e concentrações);
  • Relatório de teste laboratorial relativo a determinados metais pesados ​​e conservantes e testes de microbiologia de um laboratório credenciado (os testes podem variar).

A rotulagem dos produtos cosméticos deve ser em inglês e/ou árabe e deve conter informações precisas, cientificamente ou laboratorialmente verificadas e não enganosas. Por exemplo, função e/ou uso do produto; precaições de uso e instruções de utilização; e as instruções de armazenamento para um uso seguro devem ser indicadas no rótulo. As alegações médicas são proibidas.

Os ingredientes do produto devem ser listados no recipiente ou no próprio produto (se nenhum recipiente for usado). Os alergénios têm que ser incluídos na lista de ingredientes (que aparecem no rótulo das embalagens primárias). Se um perfume contém uma alergénio aromático numa concentração acima de 0,001%, este deve ser indicado na lista de ingredientes que compõem o produto (embalagem).

O regulamento dos EAU inclui listas positivas, negativas e restritas de ingredientes, que estão de uma forma geral harmonizadas com as listas dos Anexos do Regulamento de Cosméticos da UE (Regulamento (CE) n.º 1223/2009), exceto no que toca a quatro ingredientes específicos (incluídos na lista restrita): alfa-hidroxiácidos; ureia; vitamina A e os seus ésteres (acetato de retinila, palmitato de retinila, cloreto de cetilpiridínio).

Existem vários outros requisitos que os produtos cosméticos devem cumprir nos EAU, como serem totalmente isentos de carne suína e de todos os seus derivados, cumprirem todos os testes de segurança exigidos pela legislação e serem seguros quando utilizados nas suas condições normais e previsíveis de uso. Os produtos cosméticos disponibilizados no mercado dos EAU não podem conter gráficos, imagens ou frases que sejam inconsistentes com as tradições islâmicas e os valores sociais predominantes nos países do GCC (Conselho de Cooperação do Golfo).

Se precisar de mais informações sobre o enquadramento regulamentar dos EAU ou qualquer outro assunto, não hesite em contatar-nos em info@criticalcatalyst.com.

Referências:

  • GSO 12/FDS 1943:2018. Cosmetic Products – Safety Requirements of Cosmetics and Personal Care Products. GCC Standardization Organization (GSO). Available at: https://tsapps.nist.gov/notifyus/docs/wto_country/OMN/full_text/pdf/OMN384(english).pdf

further
reading

notícias e atualidade

Citral sob revisão: Opinião Preliminar da SCCS

The SCCS was tasked by the European Commission to evaluate if the safety levels for Citral, determined through QRA2 based on skin sensitization induction, are sufficient to safeguard consumers. A preliminary opinion was released.

Read More »
notícias e atualidade

O alumínio em cosméticos é seguro para a saúde humana?

O Comité Científico para a Segurança dos Consumidores (SCCS) publicou a sua Opinião Final sobre a segurança do alumínio em produtos cosméticos. Isto acontece após um processo de revisão extenso que começou em 2013, quando o SCCS foi inicialmente encarregado de avaliar os potenciais riscos para a saúde do alumínio (Al) e dos seus compostos em cosméticos.

Read More »
notícias e atualidade

Prata em Cosméticos: Parecer preliminar do SCCS.

Ingredientes: ALUMÍNIO

O recente parecer preliminar do Comité Científico para a Segurança do Consumidor (SCCS) sobre a prata em cosméticos é crucial para consumidores e fabricantes. Este artigo destaca os pontos-chave, tornando mais fácil compreender as implicações e manter-se informado.

Read More »
notícias e atualidade

Reino Unido propõe proibição de toalhetes húmidos que tenham plástico

A 24 de abril de 2024, o Reino Unido informou a Organização Mundial do Comércio (WTO) sobre uma proposta de regulamentação intitulada The Environmental Protection (Wet Wipes Containing Plastic) (England) Regulations 2024. Esta regulamentação tem como objetivo proibir o fornecimento e a venda de toalhitas humedecidas contendo plástico, incluindo aquelas usadas para cosméticos. O prazo para comentários é até 23 de junho de 2024 e espera-se que o projeto seja adotado em setembro de 2024.

Read More »
dispositivos médicos

Notificações de Segurança em Investigações Clínicas: uma Gap-Analysis das Orientações

As notificações de segurança no âmbito das investigações clínicas em dispositivos médicos são realizadas de acordo com o Artigo n.º 80(2) do RDM. Em maio de 2020, foi publicado o documento MDCG 2020-10/1, definindo os procedimentos para a notificação de segurança no âmbito das investigações clínicas com dispositivos médicos. No entanto, em outubro de 2022, o Grupo de Coordenação dos Dispositivos Médicos (MDCG) publicou uma versão atualizada do documento MDCG 2020-10/1, a orientação MDCG 2020-10/1 Rev 1. Este artigo destaca as atualizações incluídas na nova revisão, analisando as diferenças entre os dois documentos.

Read More »
dispositivos médicos

Responsabilidades de um Mandatário ao abrigo do RDM e RDMDIV  

Caso um fabricante de dispositivos médicos não esteja estabelecido num Estado-Membro da UE, os seus dispositivos só podem ser colocados no mercado da União, caso o fabricante designe um mandatário. O mandatário assume um papel essencial em garantir a conformidade dos dispositivos com a regulamentação da EU, servindo como ponto de contacto. As obrigações e responsabilidades dos mandatários encontram-se no Artigo 11 do RDM e do RDMDIV. No entanto, os requisitos relevantes são clarificados no documento MDCG 2022-16 de outubro de 2022.

Read More »
dispositivos médicos

Ciclo de Vida das Normas ISO

As Normas ISO abrangem um vasto leque de atividades, manifestando o conhecimento de peritos sobre determinados assuntos e proporcionando às entidades reguladoras uma base sólida para uma legislação mais adequada. Existe uma grande diversidade de Normas ISO, que abrangem desde o tamanho dos sapatos que calçamos à qualidade do ar que respiramos. O setor dos dispositivos médicos não é exceção. A ISO apresenta várias Normas Internacionais e orientações que auxiliam o setor a garantir que os dispositivos que chegam ao utilizador são seguros e eficientes e que os requisitos regulamentares nacionais, regionais e internacionais são cumpridos. Mas como é que uma Norma é desenvolvida, revista e revogada?

Read More »