Regulamento (UE) 2022/1531 – OMNIBUS ACT V – aplicável a partir de 17 de dezembro de 2022
Ingredientes: METHYL SALICYLATE, SODIUM HYDROXYMETHYLGLYCINATE, DBMC, MIBK

Data de publicação: 15/09/2022

Data de aplicação: 17/12/2022

A Comissão Europeia publicou o Regulamento da Comissão (UE) 2022/1531, que altera o Regulamento (CE) No 1223/2009 no que diz respeito à utilização em produtos cosméticos de certas substâncias classificadas como CMR, acrescentando novas entradas ao Anexo II e ao Anexo III e revendo uma entrada no Anexo V.

CONTEXTO

O Regulamento (CE) n.º 1272/2008, vulgarmente conhecido como Regulamento CLP, prevê uma classificação harmonizada de substâncias como cancerígenas, mutagénicas ou tóxicas para a reprodução (CMR) com base num parecer elaborado pelo Comité de Avaliação de Riscos da Agência Europeia dos Produtos Químicos ( ECHA). Dependendo do nível de evidência das suas propriedades CMR, as substâncias são classificadas como substâncias CMR da categoria 1A, 1B ou categoria 2.

Por defeito, o uso de substâncias classificadas como CMR de acordo com o Regulamento CLP é proibido de acordo com o Artigo 15 do Regulamento Europeu de Cosméticos (EC) No. 1223/2009. No entanto, uma substância CMR pode ser utilizada em produtos cosméticos, a título excecional, se forem satisfeitas condições específicas.

Com o objetivo de implementar a proibição de substâncias CMR, garantir o cumprimento legal (especialmente para operadores económicos e autoridades nacionais competentes) e garantir um elevado nível de proteção da saúde humana, estes compostos são incluídos no Anexo II (Lista de Substâncias Proibidas em Cosméticos Produtos) ou Anexo III (Lista de Substâncias que os Produtos Cosméticos Não Devem Conter, Exceto Sujeito às Restrições Estabelecidas) do Regulamento Europeu de Cosméticos. Uma substância CMR também pode ser excluída dos Anexos III a VI do Regulamento para esses fins.

REVISÃO

A Comissão Europeia publicou o Regulamento da Comissão (UE) 2022/1531, que altera o Regulamento (CE) No 1223/2009 no que diz respeito à utilização em produtos cosméticos de certas substâncias classificadas como CMR, acrescentando novas entradas ao Anexo II e ao Anexo III e revendo uma entrada no Anexo V.

Ao Anexo II (Lista de Substâncias Proibidas em Produtos Cosméticos), este Regulamento da Comissão acrescenta 14 novas substâncias. Por exemplo, Metileno di-t-butilcresol/[DBMC] (número CAS: 119-47-1) e MIBK (número CAS: 108-10-1) agora são proibidos em produtos cosméticos.

A substância Hidroximetilglicinato de Sódio (número CAS: 70161-44-3) foi classificada como cancerígena da categoria 1B e mutagénica da categoria 2 pelo Regulamento Delegado da Comissão (UE) 2020/1182, e incluída no Anexo VI do Regulamento CLP (Classificação Harmonizada e Rotulagem de Certas Substâncias Perigosas). O Hidroximetilglicinato de Sódio está incluído no Anexo V (Lista de Conservantes Permitidos em Produtos Cosméticos, entrada 51) do Regulamento Europeu de Cosméticos e pode ser usado até uma concentração máxima de 0,5% no produto acabado. No entanto, este ingrediente não deve ser usado em produtos cosméticos, a menos que possa ser demonstrado que a concentração teórica máxima de formaldeído liberável (independentemente da fonte) na mistura colocada no mercado é <0,1% p/p (ver publicação anterior) . Anteriormente, esta substância era erroneamente incluída no Anexo II (Lista de Substâncias Proibidas em Produtos Cosméticos). A redação desta condição foi adaptada pelo Regulamento da Comissão (UE) 2022/1531 para refletir corretamente a proibição da substância em produtos cosméticos. Como uma substância não deve ser listada tanto no Anexo II quanto no Anexo V, a Comissão Européia excluiu esta substância do Anexo II (entrada 1669).

Salicilato de Metilo (número CAS: 119-36-8) é o éster de álcool metílico e ácido salicílico e é usado, em cosméticos e produtos de higiene pessoal, como desnaturante, aromatizante, cuidado oral, perfumante e agente calmante. Esta substância foi classificada como tóxica para a reprodução (substância CMR, categoria 2) ao abrigo do Regulamento CLP, mas, até agora, não constava dos Anexos do Regulamento (CE) n.º 1223/2009. Em outubro de 2021, o Comité Científico de Segurança do Consumidor (SCCS) emitiu seu parecer final sobre o Salicilato de Metilo. O Comité concluiu que o Salicilato de Metilo é considerado seguro quando utilizado em cosméticos até a concentração máxima prevista no dossier submetido. Considerando a sua classificação como substância CMR de categoria 2 e o parecer do SCCS, a Comissão Europeia concluiu que o Salicilato de Metilo deve ser adicionado à Lista de Substâncias Restritas em Produtos Cosméticos (Anexo III do Regulamento, entrada 324), de acordo com a tabela seguinte:

Tabela 1 – Restrições aplicadas ao uso de Salicilato de Metilo em produtos cosméticos.

Product type, Body partsMaximum concentration in ready for use preparation
a) Leave-on skin products (except face makeup, spray/aerosol body lotion, spray/aerosol deodorant and hydroalcoholic-based fragrances) and leave on hair products (except spray/aerosol) 0,06%
b) Face makeup (except lip products, eye makeup and makeup remover 0,05%
c) Eye makeup and makeup remover 0,002%
d) Leave-on hair products (spray/aerosol) 0,009%
e) Deodorant spray/aerosol 0,009%
f) Body lotion spray/aerosol 0,04% 
g) Rinse-off skin products (except hand wash) and rinse-off hair products 0,06% 
h) Hand wash0,6%
i) Hydroalcoholic-based fragrances 0,6%
j) Lip products 00,03%
k) Toothpaste 2,52%
l) Mouthwash intended for children aged 6–10 years 0,1%
m) Mouthwash intended for children above 10 years of age and adults 0,6%
n) Mouth spray 0,65%

As alterações ao Regulamento Europeu de Cosméticos são aplicáveis a partir de 17 de dezembro de 2022. Os produtos devem estar em conformidade a partir desta data.

Referências

1. Regulation (EC) No 1223/2009 of the European Parliament and of the Council of 30 November 2009 on cosmetic products.

2. Regulation (EU) 2022/1531 adding new entries to Annex II and Annex III and revising an entry in Annex V of Regulation (EC) No 1223/2009 of the European Parliament and of the Council on cosmetic products.

further
reading

notícias e atualidade

Reino Unido propõe proibição de toalhetes húmidos que tenham plástico

A 24 de abril de 2024, o Reino Unido informou a Organização Mundial do Comércio (WTO) sobre uma proposta de regulamentação intitulada The Environmental Protection (Wet Wipes Containing Plastic) (England) Regulations 2024. Esta regulamentação tem como objetivo proibir o fornecimento e a venda de toalhitas humedecidas contendo plástico, incluindo aquelas usadas para cosméticos. O prazo para comentários é até 23 de junho de 2024 e espera-se que o projeto seja adotado em setembro de 2024.

Read More »
dispositivos médicos

Notificações de Segurança em Investigações Clínicas: uma Gap-Analysis das Orientações

As notificações de segurança no âmbito das investigações clínicas em dispositivos médicos são realizadas de acordo com o Artigo n.º 80(2) do RDM. Em maio de 2020, foi publicado o documento MDCG 2020-10/1, definindo os procedimentos para a notificação de segurança no âmbito das investigações clínicas com dispositivos médicos. No entanto, em outubro de 2022, o Grupo de Coordenação dos Dispositivos Médicos (MDCG) publicou uma versão atualizada do documento MDCG 2020-10/1, a orientação MDCG 2020-10/1 Rev 1. Este artigo destaca as atualizações incluídas na nova revisão, analisando as diferenças entre os dois documentos.

Read More »
dispositivos médicos

Responsabilidades de um Mandatário ao abrigo do RDM e RDMDIV  

Caso um fabricante de dispositivos médicos não esteja estabelecido num Estado-Membro da UE, os seus dispositivos só podem ser colocados no mercado da União, caso o fabricante designe um mandatário. O mandatário assume um papel essencial em garantir a conformidade dos dispositivos com a regulamentação da EU, servindo como ponto de contacto. As obrigações e responsabilidades dos mandatários encontram-se no Artigo 11 do RDM e do RDMDIV. No entanto, os requisitos relevantes são clarificados no documento MDCG 2022-16 de outubro de 2022.

Read More »
dispositivos médicos

Ciclo de Vida das Normas ISO

As Normas ISO abrangem um vasto leque de atividades, manifestando o conhecimento de peritos sobre determinados assuntos e proporcionando às entidades reguladoras uma base sólida para uma legislação mais adequada. Existe uma grande diversidade de Normas ISO, que abrangem desde o tamanho dos sapatos que calçamos à qualidade do ar que respiramos. O setor dos dispositivos médicos não é exceção. A ISO apresenta várias Normas Internacionais e orientações que auxiliam o setor a garantir que os dispositivos que chegam ao utilizador são seguros e eficientes e que os requisitos regulamentares nacionais, regionais e internacionais são cumpridos. Mas como é que uma Norma é desenvolvida, revista e revogada?

Read More »
dispositivos médicos

Alteração das Disposições Transitórias do RDM e do RDMDIV da União Europeia

O objetivo da proposta de alteração aos regulamentos é garantir a disponibilização de um vasto leque de dispositivos médicos aos doentes, sem descurar a transição para o novo quadro regulamentar. Esta proposta pretende estender o período transitório (Artigo n.º 120 do RDM), e eliminar os prazos previstos no RDM e RDMDIV da União Eurioeia para o escoamento dos dispositivos (sell-off). Os períodos de extensão serão faseados, dependendo da classe de risco dos dispositivos – dezembro de 2027 para dispositivos de alto risco e dezembro de 2028 para dispositivos de médio e baixo risco.

Read More »
dispositivos médicos

Regulamento de Dispositivos Médicos da União Europeia – Proposta de Extensão do Período de Transição

A transição para o RDM tem sido mais lenta do que o esperado pela Comissão Europeia. A capacidade insuficiente dos organismos notificados e a reduzida prontidão dos fabricantes esteve na base de uma proposta de extensão dos períodos de transição para o RDM, sendo que os prazos dependerão da classe de risco dos dispositivos.

Read More »
dispositivos médicos

MDCG 2022-18 – Artigo 97 do Regulamento de Dispositivos Médicos da União Europeia

O Artigo 97 do Regulamento de Dispositivos Médicos da União Europeia poderá ser uma solução temporária para evitar roturas no fornecimento de dispositivos médicos no mercado da União Europeia.

O documento MDCG 2022-18 apresenta uma abordagem uniforme para a aplicação do Artigo 97 do RDM a dispositivos legacy não-conformes de acordo com as condições definidas pelas autoridades competentes, limitando o impacto no fornecimento de dispositivos médicos seguros e eficientes.

Read More »
dispositivos médicos

Disponibilidade de Dispositivos Médicos na Europa após Implementação do RDM – Resultados do Questionário da Medtech Europe

A implementação do RDM é uma das prioridades para a indústria dos dispositivos médicos, que tem vindo a alocar recursos significativos para assegurar a conformidade com os novos requisitos. Apesar dos esforços, o setor permanece consideravelmente condicionado devido a uma implementação tardia e fragmentada do novo quadro regulamentar.

Read More »