Estratégia para a Sustentabilidade dos Produtos Químicos da UE
A Estratégia para a Sustentabilidade dos Produtos Químicos foi recentement publicada pela União Europeia. Esta estratégia faz parte do Pacto Ecológico Europeu, que visa um ambiente livre de substâncias tóxicas que conduza à poluição zero. A iniciative propõe uma nova alteração legislative ao Regulamento dos Produtos Cosméticos da UE. A simplificação e digitalização dos requisitos de rotulagem e a revisão da definição de nanomaterial são dois dos objetivos desta estratégia.

RUMO A UM AMBIENTE LIVRE DE SUBTÂNCIAS TÓXICAS

O Pacto Ecológico Europeu (Green Deal) estabelece uma grande ambição por um ambiente livre de substâncias tóxicas que conduza à poluição zero. Adotada em 14 de outubro de 2020, a Estratégia para a Sustentabilidade dos Produtos Químicos (Chemicals Strategy for Sustainability (CSS)) da União Europeia (UE) descreve a estratégia da Comissão para o uso sustentável e seguro de produtos químicos. Esta iniciativa faz parte do Pacto Ecológico e tem como objetivo melhorar a proteção da saúde humana e do ambiente, ao mesmo tempo que estimula a inovação no domínio dos produtos químicos seguros e sustentáveis.

O foco desta iniciativa são os produtos cosméticos, com especial enfoque em várias ações e potenciais medidas para melhorar a eficiência e eficácia das regras atuais sobre estes produtos. Consequentemente, esta estratégia afetará o Regulamento de Cosméticos da UE (Regulamento (CE) No 1223/2009 relativo aos produtos cosméticos). O CSS inclui o compromisso institucional da Comissão de apresentar uma nova proposta legislativa para alterar o Regulamento dos Produtos Cosméticos da UE.

O Regulamento de Cosméticos será submetido a uma revisão direcionada, juntamente com outra legislação relativa a produtos químicos, incluindo o Regulamento REACH e o Regulamento CLP. Um período de feedback para esta proposta de regulamento foi estabelecido de 4 de outubro a 1 de novembro de 2021. O feedback será considerado para posterior desenvolvimento e aperfeiçoamento da iniciativa. Um relatório de síntese será desenvolvido pela Comissão, resumindo as contribuições recebidas e explicando como as contribuições serão tomadas em consideração e porque certas sugestões não puderam ser consideradas.

ABORDAGEM E OBJETIVOS DA ESTRATÉGIA PARA A SUSTENTABILIDADE DOS PRODUTOS QUÍMICOS (CSS)

De acordo com o Regulamento Cosmético Europeu, substâncias classificadas como CMR (cancerígenas, mutagénicas ou tóxicas para a reprodução) são proibidas em produtos cosméticos (com exceções, sob condições estritas). No entanto, existem outros produtos químicos prejudiciais que podem representar riscos semelhantes para os consumidores e profissionais. A exposição simultânea a vários produtos químicos (de cosméticos e de outras fontes) também pode ter efeitos prejudiciais ao meio ambiente e aos seres humanos. Este problema não está atualmente coberto pelos requisitos do Regulamento Cosmético. Este regulamento ainda não está alinhado com as abordagens anunciadas pela CSS, para implementar a abordagem genérica à gestão de riscos e o conceito de utilizações essenciais destinadas a abordar esses riscos. Portanto, um dos principais objetivos da iniciativa é estender a abordagem genérica à gestão de risco para garantir que os produtos cosméticos não contêm produtos químicos que:

  • causam cancro, mutações genéticas ou que afetam o sistema reprodutivo ou endócrino (CMRs);
  • afetam o sistema imunológico, neurológico ou respiratório;
  • são persistentes ou bioacumuláveis;
  • são tóxicos para um órgão específico.


A extensão das disposições existentes e modificadas que restringem os CMRs (Artigo 15 do Regulamento) será analisada, os critérios de exceções e os processos serão revistos ​​e as disposições para ter em conta os efeitos da combinação serão introduzidas.

O Comité Científico de Segurança do Consumidor (Scientific Committee on Consumer Safety – SCCS) da Comissão Europeia é responsável por realizar as avaliações de risco de substâncias presentes em cosméticos. A CSS deseja reatribuir as avaliações de substâncias também usadas em cosméticos para outras agências da UE (por exemplo, ECHA, novo grupo de trabalho do RAC, outro comité independente, etc.). A abordagem CSS “One Substance, One Assessment” visa uma melhor eficácia, eficiência e coerência das avaliações de segurança, utilizando os melhores conhecimentos e recursos disponíveis nas agências.

Esta iniciativa considera que a legislação da UE relativa aos produtos químicos deve utilizar uma terminologia coerente no que diz respeito à definição de nanomaterial e que esta definição deve ser revista e alinhada com o resultado da revisão abrangente (Revisão da Recomendação 2011/696/UE) em curso no contexto da CSS.

A simplificação e digitalização dos requisitos de rotulagem de produtos químicos também é considerada pela iniciativa CSS, com o objetivo de melhorar a comunicação de informações essenciais sobre estas substâncias. O uso de ferramentas digitais para rótulos de produtos é uma opção.

Se desejar obter mais informações sobre este assunto e as implicações desta iniciativa da UE, não hesite em contactar-nos através de info@criticalcatalyst.com.

Referências:

  1. Regulation (EC) No 1223/2009 of the European Parliament and of the Council of 30 November 2009 on cosmetic products.
  2. Inception Impact Assessment. EU Chemicals Strategy for Sustainability – Revision of the Cosmetic Products Regulation. European Commission. 04/10/2021.
  3. Review of the Recommendation 2011/696/EU – Stakeholder consultation.  European Commission. Available from: https://ec.europa.eu/environment/chemicals/nanotech/review_en.htm

further
reading

drug_device_combination_1
dispositivos médicos

Enquadramento Regulamentar de Combinações Medicamento – Dispositivo Médico

Os avanços tecnológicos continuam a combinar diferentes tipos de produtos e as linhas históricas que separam os dispositivos médicos dos medicamentos são cada vez menos evidentes. Produtos de combinação de medicamentos com dispositivos médicos são regulados pelo Regulamento (UE) 2017/745 (RDM) ou pela Diretiva 2001/83/EC.

Read More »
notícias e atualidade

Opinião Preliminar do SCCS sobre Alpha-Arbutin e Beta-Arbutin

A Alfa-arbutina e a Beta-arbutina são utilizadas em cosméticos com funções antioxidantes, clareadoras e condicionadoras da pele. Após as preocupações levantadas durante a discussão no Working Group on Cosmetic Products e a consequente solicitação de dados sobre estes ingredientes, o SCCS avaliou a segurança da Alfa-arbutina e da Beta-arbutina em produtos cosméticos.

Read More »
notícias e atualidade

Pedido de Parecer Científico do SCCS sobre o Citral

A Comissão Europeia solicitou ao SCCS que avaliasse se os níveis de uso seguro derivados para Citral obtidos através do QRA2, baseados na indução de sensibilização cutânea, são adequados para proteger os consumidores. Foi fixado um prazo de 9 meses para a emissão da opinião científica.

Read More »
notícias e atualidade

Opinião Preliminar do SCCS sobre o Triclocarban e o Triclosan

O Comité Científico da Segurança dos Consumidores (SCCS) da Comissão Europeia publicou a sua versão preliminar do aconselhamento científico sobre a segurança do Triclocarban e Triclosan como substâncias com potentiais propriedades de desregulação endócrina em produtos cosméticos. O prazo para comentários foi fixado a 27 de maio de 2022.

Read More »
notícias e atualidade

Regulamentação de Cosméticos na Comunidade Andina

Na Comunidade Andina (Bolívia, Colômbia, Equador e Peru), os produtos cosméticos são sobretudo regulamentados pela Decisão 833. Todos os produtos cosméticos disponibilizados nestes países devem passar por uma Notificação Sanitária Obrigatória (NSO) e devem ser fabricados de acordo com as Boas Práticas de Fabrico (BPF).

Read More »
notícias e atualidade

Rotulagem de Produtos Cosméticos na União Europeia

O Regulamento (CE) N.º 1223/2009 estabelece as informações obrigatórias que devem ser incluídas na embalagem e recipiente de um produto cosmético. Além desta informação, a maioria dos produtos inclui também determinadas alegações, que devem ser suportadas e devidamente fundamentadas.

Read More »
notícias e atualidade

Alegações Ambientais no Reino Unido

As alegações ambientais são uma tendência nos bens de consumo e serviços. Cada vez mais vemos produtos cosméticos no mercado que afirmam ser ‘amigos do ambiente’ ou que se apresentam como ‘clean beauty’. Mas como podem as empresas garantir ou fundamentar que tais alegações não são enganosas? A Competition and Markets Authority (CMA) do Reino Unido publicou um Green Claims Code, com o objetivo de ajudar as empresas a cumprir com os requisitos legais ao fazer alegações ambientais.

Read More »
notícias e atualidade

Parabenos em Produtos Cosméticos

Os parabenos são amplamento utilizados como conservantes em produtos cosméticos. Ao longo dos anos, têm surgido algumas preocupações relacionadas com o seu uso. O SCCS publicou vários pareces sobre o uso destes ingredientes em produtos cosméticos, indicando quais as concentrações que considera seguras. Na UE, alguns parabenos podem ser utilizados de forma segura como conservantes, enquanto outros são proibidos em produtos cosméticos.

Read More »
notícias e atualidade

O Ficheiro de Informações Sobre o Produto (PIF)

O Ficheiro de Informações sobre o Produto (PIF – Product Information File) é obrigatório para todos os produtos cosméticos colocados no mercado da União Europeia. É um documento que reúne informação técnica do cosmético e que deve ser conservado por um período de 10 anos pela Pessoa Responsável.

Read More »
notícias e atualidade

Como são Regulados os Produtos Cosméticos na Austrália?

O Australian Industrial Chemicals Introduction Scheme (AICIS) é a entidade responsável pelo controlo de produtos cosméticos e sabonetes. Os ingredientes cosméticos são regulados como químicos industriais sob a Lei de Químicos Industriais de 2019 (Industrial Chemicals Act 2019), que é administrada pela AICIS.

Read More »
notícias e atualidade

Proibição de Butylphenyl Methylpropional Adiada no Reino Unido

Devido à sua classificação como tóxico para a reprodução (Repr.1B – CMR 1B), o Butylphenyl Methylpropional passou a ser proibido em produtos cosméticos na União Europeia. Atualmente, este ingrediente ainda pode ser usado (sujeito a restrições) em cosméticos comercializados na Grã-Bretanha. No entanto, a proibição do Butylphenyl Methylpropional é esperada num futuro próximo nestes países.

Read More »