Enquadramento Regulamentar de Combinações Medicamento – Dispositivo Médico
drug_device_combination_1
Os avanços tecnológicos continuam a combinar diferentes tipos de produtos e as linhas históricas que separam os dispositivos médicos dos medicamentos são cada vez menos evidentes. Produtos de combinação de medicamentos com dispositivos médicos são regulados pelo Regulamento (UE) 2017/745 (RDM) ou pela Diretiva 2001/83/EC.

O que é um produto de combinação de medicamento-dispositivo?

Produtos de combinação de medicamentos-dispositivos (DDCs) são medicamentos que contêm um ou mais dispositivos médicos como parte integral da sua composição ou produtos que não incorporam dispositivos de forma integral, mas que necessitam de dispositivos médicos para a sua administração, doseamento ou utilização.

Definições importantes

A combinação de um medicamento com um dispositivo médico pode constituir um produto integral ou um produto não-integral.

Produtos integrais – Um produto integral pode ser:

  • Um dispositivo que incorpore uma substância como parte integral, e que essa substância, se utilizada separadamente, seja considerada um medicamento e seja responsável pela ação principal do produto. Exemplos incluem medicamentos com sensores integrados.
  • Um dispositivo no qual a finalidade prevista seja administrar um medicamento e que constitua um produto individual integral destinado exclusivamente à utilização em combinação e que não seja reutilizável. Exemplos incluem seringas de utilização única pré-cheias, dispositivos intrauterinos de libertação de medicamentos e inaladores de utilização única pré-cheios.

Produtos não-integrais – Os componentes (medicamento e dispositivo) de produtos não-integrais não são fisicamente incorporados durante o fabrico, mas são combinados para administração. Os produtos não-integrais incluem produtos embalados conjuntamente e produtos referenciados:

  • Embalados conjuntamente – O medicamento e o dispositivo médico são incluídos no mesmo pack e são colocados no mercado conjuntamente.
  • Referenciados – As informações do medicamento (RCM e/ou folheto informativo) fazem referência ao dispositivo médico que deve ser utilizado, mas este é obtido separadamente.

Exemplos de produtos não-integrais incluem: copos, colheres e seringas para administração oral, injetores e canetas recarregáveis por cartuchos, nebulizadores, vaporizadores, bombas para administração de medicamentos e dispensadores eletrónicos de medicamentos.

Quadro regulamentar

Os produtos integrais são regulados pela legislação farmacêutica da UE (Diretiva 2001/83/EC ou Regulamento (CE) N.º 726/2004), ao abrigo da qual, o medicamento deve obter uma autorização de introdução no mercado. O Artigo n.º 117 do RDM indica que o dossiê de autorização de introdução no mercado do medicamento deve incluir evidência de conformidade da parte do dispositivo com os Requisitos Gerais de Segurança e Desempenho (RGSDs) (Anexo I do RDM). O pedido de autorização de introdução no mercado deve incluir o certificado CE, ou, caso o dispositivo ainda não tenha marcação CE e seja necessária a intervenção de um organismo notificado de acordo com o RDM, o requerente deve incluir um parecer emitido pelo organismo notificado sobre a conformidade do dispositivo com os RGSDs.

No entanto, caso o dispositivo incorpore uma substância que, se utilizada separadamente, seja considerada um medicamento, mas a ação dessa substância seja auxiliar à ação do dispositivo, o produto deve ser avaliado e autorizado de acordo com o RDM. Para determinar se a substância é “auxiliar” é considerada a disponibilidade da substância no corpo humano e/ou a quantidade da substância disponível. 

Caso os produtos sejam embalados conjuntamente ou referenciados, o medicamento é regulado pela Diretiva 2001/83/EC ou pelo Regulamento (CE) N.º 726/2004, e o dispositivo deve obter marcação CE de acordo com o RDM.

Se o dispositivo tiver a finalidade de administrar um medicamento, o produto é regulado pelo RDM. Ainda assim, o medicamento deve cumprir com as disposições da Diretiva 2001/83/EC ou do Regulamento (CE) N.º 726/2004. No entanto, se o dispositivo tiver a finalidade de administrar um medicamento, mas constitua um produto individual integral para uso exclusivo em combinação e não reutilizável, o produto é regulado pela Diretiva 2001/83/EC e pelo Regulamento (CE) N.º 726/2004, e a parte relativa ao dispositivo deve incluir evidência de conformidade com os RGSDs aplicáveis.

Adaptado de: MDCG 2022–5 Orientação sobre a fronteira entre dispositivos médicos e medicamentos sob o Regulamento (UE) 2017/745 relativo aos dispositivos médicos, Abril 2022.

Desafios

O desenvolvimento de produtos combinados requer uma abordagem colaborativa. Geralmente, os promotores têm conhecimentos no mercado farmacêutico ou no mercado dos dispositivos médicos, o que pode ser um desafio, uma vez que necessitam de adquirir expertise antes de começar a desenvolver os seus produtos. 

Na decisão sobre o quadro regulamentar aplicável a uma combinação de produtos, o primeiro passo é estabelecer se o produto é integral. O passo seguinte na abordagem à estratégia regulamentar é definir claramente a finalidade prevista e o modo de ação do produto, percebendo a parte da combinação que é principal e a parte que é auxiliar. 

As DDCs são associadas a um aumento do consumo de tempo e de recursos, uma vez que é necessário assegurar que o desempenho e a segurança são alcançados para todos os componentes do produto, de forma individual e em conjunto.

Referências:

  1. Regulamento (UE) 2017/745, relativo aos dispositivos médicos
  2. Agência Europeia do Medicamento (EMA) – Orientação sobre a documentação relativa à qualidade de medicamentos quando utilizados com um dispositivo médico, 22 Julho 2021
  3. MDCG 2022 – 5 Orientação sobre a fronteira entre dispositivos médicos e medicamentos sob o Regulamento (UE) 2017/745 relativo aos dispositivos médicos, Abril 2022

further
reading

notícias e atualidade

Citral sob revisão: Opinião Preliminar da SCCS

The SCCS was tasked by the European Commission to evaluate if the safety levels for Citral, determined through QRA2 based on skin sensitization induction, are sufficient to safeguard consumers. A preliminary opinion was released.

Read More »
notícias e atualidade

O alumínio em cosméticos é seguro para a saúde humana?

O Comité Científico para a Segurança dos Consumidores (SCCS) publicou a sua Opinião Final sobre a segurança do alumínio em produtos cosméticos. Isto acontece após um processo de revisão extenso que começou em 2013, quando o SCCS foi inicialmente encarregado de avaliar os potenciais riscos para a saúde do alumínio (Al) e dos seus compostos em cosméticos.

Read More »
notícias e atualidade

Prata em Cosméticos: Parecer preliminar do SCCS.

Ingredientes: ALUMÍNIO

O recente parecer preliminar do Comité Científico para a Segurança do Consumidor (SCCS) sobre a prata em cosméticos é crucial para consumidores e fabricantes. Este artigo destaca os pontos-chave, tornando mais fácil compreender as implicações e manter-se informado.

Read More »
notícias e atualidade

Reino Unido propõe proibição de toalhetes húmidos que tenham plástico

A 24 de abril de 2024, o Reino Unido informou a Organização Mundial do Comércio (WTO) sobre uma proposta de regulamentação intitulada The Environmental Protection (Wet Wipes Containing Plastic) (England) Regulations 2024. Esta regulamentação tem como objetivo proibir o fornecimento e a venda de toalhitas humedecidas contendo plástico, incluindo aquelas usadas para cosméticos. O prazo para comentários é até 23 de junho de 2024 e espera-se que o projeto seja adotado em setembro de 2024.

Read More »
dispositivos médicos

Notificações de Segurança em Investigações Clínicas: uma Gap-Analysis das Orientações

As notificações de segurança no âmbito das investigações clínicas em dispositivos médicos são realizadas de acordo com o Artigo n.º 80(2) do RDM. Em maio de 2020, foi publicado o documento MDCG 2020-10/1, definindo os procedimentos para a notificação de segurança no âmbito das investigações clínicas com dispositivos médicos. No entanto, em outubro de 2022, o Grupo de Coordenação dos Dispositivos Médicos (MDCG) publicou uma versão atualizada do documento MDCG 2020-10/1, a orientação MDCG 2020-10/1 Rev 1. Este artigo destaca as atualizações incluídas na nova revisão, analisando as diferenças entre os dois documentos.

Read More »
dispositivos médicos

Responsabilidades de um Mandatário ao abrigo do RDM e RDMDIV  

Caso um fabricante de dispositivos médicos não esteja estabelecido num Estado-Membro da UE, os seus dispositivos só podem ser colocados no mercado da União, caso o fabricante designe um mandatário. O mandatário assume um papel essencial em garantir a conformidade dos dispositivos com a regulamentação da EU, servindo como ponto de contacto. As obrigações e responsabilidades dos mandatários encontram-se no Artigo 11 do RDM e do RDMDIV. No entanto, os requisitos relevantes são clarificados no documento MDCG 2022-16 de outubro de 2022.

Read More »
dispositivos médicos

Ciclo de Vida das Normas ISO

As Normas ISO abrangem um vasto leque de atividades, manifestando o conhecimento de peritos sobre determinados assuntos e proporcionando às entidades reguladoras uma base sólida para uma legislação mais adequada. Existe uma grande diversidade de Normas ISO, que abrangem desde o tamanho dos sapatos que calçamos à qualidade do ar que respiramos. O setor dos dispositivos médicos não é exceção. A ISO apresenta várias Normas Internacionais e orientações que auxiliam o setor a garantir que os dispositivos que chegam ao utilizador são seguros e eficientes e que os requisitos regulamentares nacionais, regionais e internacionais são cumpridos. Mas como é que uma Norma é desenvolvida, revista e revogada?

Read More »