Como são Regulados os Produtos Cosméticos na Austrália?
O Australian Industrial Chemicals Introduction Scheme (AICIS) é a entidade responsável pelo controlo de produtos cosméticos e sabonetes. Os ingredientes cosméticos são regulados como químicos industriais sob a Lei de Químicos Industriais de 2019 (Industrial Chemicals Act 2019), que é administrada pela AICIS.
Picture of Marta Pinto

Marta Pinto

Consultora Assuntos Regulamentares

COSMÉTICOS VS BENS TERAPÊUTICOS

Na Austrália, os produtos de beleza podem ser divididos em duas categorias de acordo com seu uso: cosméticos e bens terapêuticos (therapeutic goods). A distinção entre estas duas categorias nem sempre é clara e pode ser feita através da combinação de alguns fatores: uso primário ou finalidade do produto; os ingredientes presentes e os seus efeitos no corpo; modo de aplicação do produto e a forma como o produto é promovido, representado, apresentado ou rotulado.

O Governo Australiano define cosmético como uma “substância desenvolvida para ser utilizada em qualquer parte externa do corpo humano – ou no interior da boca – para alterar os seus odores, alterar a sua aparência, limpá-la, mantê-la em boas condições, perfumá-la ou protegê-la“.

Os bens terapêuticos são “produtos que previnem, diagnosticam ou tratam doenças, ou que afetam a estrutura ou funções do corpo humano”. A Therapeutic Goods Administration (TGA) é responsável pela gestão dos bens terapêuticos. A TGA avalia apenas produtos cosméticos que fazem alegações terapêuticas.

REGULAMENTO RELATIVO AOS PRODUTOS COSMÉTICOS

O National Industrial Chemicals Notification and Assessment Scheme (NICNAS) era a antiga entidade responsável pelo controlo de produtos cosméticos e sabonetes. Desde 1 de julho de 2020, o NICNAS foi substituído por um novo esquema chamado Australian Industrial Chemicals Introduction Scheme (AICIS).

Os ingredientes cosméticos são regulados como químicos industriais (industrial chemicals) sob a Lei de Químicos Industriais de 2019 (Industrial Chemicals Act 2019), que é administrada pelo AICIS.

Para garantir a segurança dos consumidores, trabalhadores e do meio ambiente, os riscos associados a produtos cosméticos e/ou ingredientes fabricados ou importados para o país são avaliados pelo Governo Australiano.

Os fabricantes e importadores de cosméticos ou ingredientes cosméticos devem registar os seus negócios com o AICIS e todos os ingredientes contidos em determinado cosmético devem ser listados no Inventário Australiano de Químicos Industriais (AIIC – Australian Inventory of Industrial Chemicals) ou notificados ao AICIS para avaliação pré-comercialização (exceto se for aplicável uma isenção).

Importadores e fabricantes que introduzam químicos industriais para fins comerciais precisam de categorizar os mesmo em 1 de 5 categorias: Listado; Isento; Reportado; Avaliado; ou Autorização de Avaliação Comercial. Os importadores e fabricantes têm também a responsabilidade de submeter declarações e relatórios, manter registos e fornecer informações ao AICIS quando solicitado.

Ingredientes apresentados como “naturais” ou “orgânicos” também são regulados como químicos industriais. Os “químicos de ocorrência natural” (‘natural occurring chemicals), apesar de também serem considerados químicos industriais, estão excluídos de algumas obrigações legais. Este tipo de químicos é legalmente definido como “um produto químico não processado que ocorre em ambiente natural, ou um produto químico que ocorre num ambiente natural que é extraído sem alteração química por: meios manuais, mecânicos ou gravitacionais; ou dissolução em água; ou flutuação; ou um processo de aquecimento com o único propósito de remover água não combinada”.

As normas relativas à segurança dos produtos e rotulagem de cosméticos são reguladas pela Australian Competition and Consumer Commission (ACCC). Todos os cosméticos importados ou fabricos na Austrália (e destinados a serem usados no país) devem ser rotulados de acordo a Consumer Goods (Cosmetics) Information Standard 2020.

Desde 1 de julho de 2020, está proibida a utilização de novos dados obtidos através de testes em animais para ingredientes de uso exclusivo em cosméticos. Quanto aos químicos com múltiplas utilizações finais (incluindo cosméticos), também existem restrições quanto ao uso de novos dados resultantes de testes em animais.

Se desejar mais informações sobre este ou outros temas, não hesite em contactar-nos em info@criticalcatalyst.com.

Referências:

  1. Australian Government, Department of Health – Australian Industrial Chemicals Introduction Scheme (AICIS) – Basics of importing and manufacturing chemicals. Available at: https://www.industrialchemicals.gov.au/business/getting-started-registration-importing-and-manufacturing/basics-importing-and-manufacturing-chemicals
  2. Australian Government – Industrial Chemicals Act 2019  
  3. Consumer Goods (Cosmetics) Information Standard 2020. 19 November 2020.

COSMÉTICOS VS BENS TERAPÊUTICOS

Na Austrália, os produtos de beleza podem ser divididos em duas categorias de acordo com seu uso: cosméticos e bens terapêuticos (therapeutic goods). A distinção entre estas duas categorias nem sempre é clara e pode ser feita através da combinação de alguns fatores: uso primário ou finalidade do produto; os ingredientes presentes e os seus efeitos no corpo; modo de aplicação do produto e a forma como o produto é promovido, representado, apresentado ou rotulado.

O Governo Australiano define cosmético como uma “substância desenvolvida para ser utilizada em qualquer parte externa do corpo humano – ou no interior da boca – para alterar os seus odores, alterar a sua aparência, limpá-la, mantê-la em boas condições, perfumá-la ou protegê-la“.

Os bens terapêuticos são “produtos que previnem, diagnosticam ou tratam doenças, ou que afetam a estrutura ou funções do corpo humano”. A Therapeutic Goods Administration (TGA) é responsável pela gestão dos bens terapêuticos. A TGA avalia apenas produtos cosméticos que fazem alegações terapêuticas.

REGULAMENTO RELATIVO AOS PRODUTOS COSMÉTICOS

O National Industrial Chemicals Notification and Assessment Scheme (NICNAS) era a antiga entidade responsável pelo controlo de produtos cosméticos e sabonetes. Desde 1 de julho de 2020, o NICNAS foi substituído por um novo esquema chamado Australian Industrial Chemicals Introduction Scheme (AICIS).

Os ingredientes cosméticos são regulados como químicos industriais (industrial chemicals) sob a Lei de Químicos Industriais de 2019 (Industrial Chemicals Act 2019), que é administrada pelo AICIS.

Para garantir a segurança dos consumidores, trabalhadores e do meio ambiente, os riscos associados a produtos cosméticos e/ou ingredientes fabricados ou importados para o país são avaliados pelo Governo Australiano.

Os fabricantes e importadores de cosméticos ou ingredientes cosméticos devem registar os seus negócios com o AICIS e todos os ingredientes contidos em determinado cosmético devem ser listados no Inventário Australiano de Químicos Industriais (AIIC – Australian Inventory of Industrial Chemicals) ou notificados ao AICIS para avaliação pré-comercialização (exceto se for aplicável uma isenção).

Importadores e fabricantes que introduzam químicos industriais para fins comerciais precisam de categorizar os mesmo em 1 de 5 categorias: Listado; Isento; Reportado; Avaliado; ou Autorização de Avaliação Comercial. Os importadores e fabricantes têm também a responsabilidade de submeter declarações e relatórios, manter registos e fornecer informações ao AICIS quando solicitado.

Ingredientes apresentados como “naturais” ou “orgânicos” também são regulados como químicos industriais. Os “químicos de ocorrência natural” (‘natural occurring chemicals), apesar de também serem considerados químicos industriais, estão excluídos de algumas obrigações legais. Este tipo de químicos é legalmente definido como “um produto químico não processado que ocorre em ambiente natural, ou um produto químico que ocorre num ambiente natural que é extraído sem alteração química por: meios manuais, mecânicos ou gravitacionais; ou dissolução em água; ou flutuação; ou um processo de aquecimento com o único propósito de remover água não combinada”.

As normas relativas à segurança dos produtos e rotulagem de cosméticos são reguladas pela Australian Competition and Consumer Commission (ACCC). Todos os cosméticos importados ou fabricos na Austrália (e destinados a serem usados no país) devem ser rotulados de acordo a Consumer Goods (Cosmetics) Information Standard 2020.

Desde 1 de julho de 2020, está proibida a utilização de novos dados obtidos através de testes em animais para ingredientes de uso exclusivo em cosméticos. Quanto aos químicos com múltiplas utilizações finais (incluindo cosméticos), também existem restrições quanto ao uso de novos dados resultantes de testes em animais.

Se desejar mais informações sobre este ou outros temas, não hesite em contactar-nos em info@criticalcatalyst.com.

Referências:

  1. Australian Government, Department of Health – Australian Industrial Chemicals Introduction Scheme (AICIS) – Basics of importing and manufacturing chemicals. Available at: https://www.industrialchemicals.gov.au/business/getting-started-registration-importing-and-manufacturing/basics-importing-and-manufacturing-chemicals
  2. Australian Government – Industrial Chemicals Act 2019  
  3. Consumer Goods (Cosmetics) Information Standard 2020. 19 November 2020.

further
reading

notícias e atualidade

Reino Unido propõe proibição de toalhetes húmidos que tenham plástico

A 24 de abril de 2024, o Reino Unido informou a Organização Mundial do Comércio (WTO) sobre uma proposta de regulamentação intitulada The Environmental Protection (Wet Wipes Containing Plastic) (England) Regulations 2024. Esta regulamentação tem como objetivo proibir o fornecimento e a venda de toalhitas humedecidas contendo plástico, incluindo aquelas usadas para cosméticos. O prazo para comentários é até 23 de junho de 2024 e espera-se que o projeto seja adotado em setembro de 2024.

Read More »
dispositivos médicos

Notificações de Segurança em Investigações Clínicas: uma Gap-Analysis das Orientações

As notificações de segurança no âmbito das investigações clínicas em dispositivos médicos são realizadas de acordo com o Artigo n.º 80(2) do RDM. Em maio de 2020, foi publicado o documento MDCG 2020-10/1, definindo os procedimentos para a notificação de segurança no âmbito das investigações clínicas com dispositivos médicos. No entanto, em outubro de 2022, o Grupo de Coordenação dos Dispositivos Médicos (MDCG) publicou uma versão atualizada do documento MDCG 2020-10/1, a orientação MDCG 2020-10/1 Rev 1. Este artigo destaca as atualizações incluídas na nova revisão, analisando as diferenças entre os dois documentos.

Read More »
dispositivos médicos

Responsabilidades de um Mandatário ao abrigo do RDM e RDMDIV  

Caso um fabricante de dispositivos médicos não esteja estabelecido num Estado-Membro da UE, os seus dispositivos só podem ser colocados no mercado da União, caso o fabricante designe um mandatário. O mandatário assume um papel essencial em garantir a conformidade dos dispositivos com a regulamentação da EU, servindo como ponto de contacto. As obrigações e responsabilidades dos mandatários encontram-se no Artigo 11 do RDM e do RDMDIV. No entanto, os requisitos relevantes são clarificados no documento MDCG 2022-16 de outubro de 2022.

Read More »
dispositivos médicos

Ciclo de Vida das Normas ISO

As Normas ISO abrangem um vasto leque de atividades, manifestando o conhecimento de peritos sobre determinados assuntos e proporcionando às entidades reguladoras uma base sólida para uma legislação mais adequada. Existe uma grande diversidade de Normas ISO, que abrangem desde o tamanho dos sapatos que calçamos à qualidade do ar que respiramos. O setor dos dispositivos médicos não é exceção. A ISO apresenta várias Normas Internacionais e orientações que auxiliam o setor a garantir que os dispositivos que chegam ao utilizador são seguros e eficientes e que os requisitos regulamentares nacionais, regionais e internacionais são cumpridos. Mas como é que uma Norma é desenvolvida, revista e revogada?

Read More »
dispositivos médicos

Alteração das Disposições Transitórias do RDM e do RDMDIV da União Europeia

O objetivo da proposta de alteração aos regulamentos é garantir a disponibilização de um vasto leque de dispositivos médicos aos doentes, sem descurar a transição para o novo quadro regulamentar. Esta proposta pretende estender o período transitório (Artigo n.º 120 do RDM), e eliminar os prazos previstos no RDM e RDMDIV da União Eurioeia para o escoamento dos dispositivos (sell-off). Os períodos de extensão serão faseados, dependendo da classe de risco dos dispositivos – dezembro de 2027 para dispositivos de alto risco e dezembro de 2028 para dispositivos de médio e baixo risco.

Read More »
dispositivos médicos

Regulamento de Dispositivos Médicos da União Europeia – Proposta de Extensão do Período de Transição

A transição para o RDM tem sido mais lenta do que o esperado pela Comissão Europeia. A capacidade insuficiente dos organismos notificados e a reduzida prontidão dos fabricantes esteve na base de uma proposta de extensão dos períodos de transição para o RDM, sendo que os prazos dependerão da classe de risco dos dispositivos.

Read More »
dispositivos médicos

MDCG 2022-18 – Artigo 97 do Regulamento de Dispositivos Médicos da União Europeia

O Artigo 97 do Regulamento de Dispositivos Médicos da União Europeia poderá ser uma solução temporária para evitar roturas no fornecimento de dispositivos médicos no mercado da União Europeia.

O documento MDCG 2022-18 apresenta uma abordagem uniforme para a aplicação do Artigo 97 do RDM a dispositivos legacy não-conformes de acordo com as condições definidas pelas autoridades competentes, limitando o impacto no fornecimento de dispositivos médicos seguros e eficientes.

Read More »
dispositivos médicos

Disponibilidade de Dispositivos Médicos na Europa após Implementação do RDM – Resultados do Questionário da Medtech Europe

A implementação do RDM é uma das prioridades para a indústria dos dispositivos médicos, que tem vindo a alocar recursos significativos para assegurar a conformidade com os novos requisitos. Apesar dos esforços, o setor permanece consideravelmente condicionado devido a uma implementação tardia e fragmentada do novo quadro regulamentar.

Read More »