Produção Artesanal de Cosméticos em Portugal
A produção artesanal de produtos cosméticos é uma tendência crescente no mercado nacional. Os produtos cosméticos destinados a ser comercializados em Portugal devem cumprir com o Regulamento Europeu de Produtos Cosméticos da União Europeia e com a legislação nacional. Isto é válido para todos os produtos, sejam eles fabricados a uma escala industrial ou em pequena escala ("produção artesanal").
Marta Pinto

Marta Pinto

Regulatory Affairs Associate

ENQUADRAMENTO LEGAL DOS COSMÉTICOS NA UE

O Regulamento (CE) N.º 1223/2009 estabelece as normas que os produtos cosméticos disponíveis no mercado da União Europeia (UE) devem cumprir, de forma a garantir o funcionamento do mercado interno e um elevado nível de proteção da saúde humana.

Segundo este Regulamento , um produto cosmético é “qualquer substância ou mistura destinada a ser posta em contacto com as partes externas do corpo humano (epiderme, sistemas piloso e capilar, unhas, lábios e órgãos genitais externos) ou com os dentes e as mucosas bucais, tendo em vista, exclusiva ou principalmente, limpá­-los, perfumá-los, modificar-lhes o aspecto, protegê-los, mantê-los em bom estado ou corrigir os odores corporais“.

Qualquer produto cosmético que seja disponibilizado no mercado deve ser seguro para a saúde humana quando usado em condições de utilização normais ou razoavelmente previsíveis. Além disso, só podem ser colocados na União Europeia, produtos cosméticos para os quais seja designada uma pessoa singular ou coletiva como Responsável. A Pessoa Responsável (PR) garante a segurança e conformidade legal do produto. (ver publicação anterior)

Cabe à PR notificar o produto cosmético, por via eletrónica (Portal CPNP), antes da sua colocação no mercado. (ver publicação anterior)

O fabrico de produtos cosméticos deve respeitar as Boas Práticas de Fabrico, de acordo com as orientações ISO 22716:2007, e a amostragem e análises destes mesmos produtos devem realizar-se de forma fiável e reprodutível. Para todos os cosméticos, deve ser conservado um Ficheiro de Informações sobre o Produto (PIF), dentro do qual está inserido um relatório de avaliação de segurança do produto cosmético.

PRODUÇÃO ARTESANAL EM PORTUGAL

Em Portugal, as entidades que se dedicam ao fabrico de produtos cosméticos estão sujeitas ao licenciamento do acesso e exercício da atividade industrial segundo o Sistema da Indústria Responsável (SIR, Decreto-Lei n.º 73/2015).

Nos termos das classes de Classificação Portuguesa das Atividades Económicas (CAE), o estabelecimento industrial deve possuir o código 20420 de atividade industrial (Fabricação de perfumes, de cosméticos e de produtos de higiene).

Os estabelecimentos de produção em pequena escala (‘artesanal’) de cosméticos são geralmente estabelecimentos industriais de tipo 3, cumprindo com determinadas condições (como número máximo de trabalhadores, limites de potência elétrica e térmica). A caracterização global do estabelecimento industrial deve incluir informações relevantes sobre os produtos a fabricar, a capacidade da instalação, os processos utilizados e equipamentos instalados, entre outros. Estes estabelecimentos estão sujeitos ao regime de Mera Comunicação Prévia (MCP) para licenciamento de instalação e exploração, sendo um processo mais simples. A MCP é realizada eletronicamente, no ‘Balcão do Empreendedor’, e a exploração pode iniciar-se após a emissão de um título digital e do pagamento da taxa correspondente.

Com o início da produção e de acordo com a Deliberação n.º 15/CD/2013 do INFARMED (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P.), as entidades que procedam à primeira alienação a título oneroso em território nacional de produtos cosméticos e de higiene corporal (…) devem registar-se no INFARMED, até ao final do mês seguinte ao do início da comercialização dos produtos nele previstos“. Este registo tem duas componentes, em que a primeira é realizada na aplicação de Notificação de Produtos Cosméticos e a segunda é efetuada no sistema eletrónico de Gestão de Receitas e Cobrança de Taxas (SRCT). A comercialização de produtos cosméticos implica o pagamento de uma taxa mensal de 1% sobre o volume final de vendas.

A PR (fabricantes ou entidade designada) do produto cosmético deve ser assistida por um técnico qualificado (Responsável Técnico), que assume com ela, solidariamente, a responsabilidade pela observância do disposto na legislação.

É de extrema importância salientar que mesmo que a produção de cosméticos seja feita em pequena escala, os produtos obedecem à mesma legislação que os que são produzidos à escala industrial. Isto é, todos os cosméticos devem cumprir de forma integral com o Regulamento (EC) N.º 1223/2009 e com a legislação nacional (Decreto-Lei n.º 189/2008).

Deseja fabricar os seus produtos cosméticos em Portugal? A Critical Catalyst pode ajudar. Não hesite em contactar-nos através de info@criticalcatalyst.com.

Referências:

  1. Regulamento (CE) N.º 1223/2009 do Parlamento Europeu e do Conselho de 30 de Novembro de 2009 relativo aos produtos cosméticos (reformulação).
  2. Decreto-Lei n.º 73/2015. Diário da República n.º 90/2015, Série I de 2015-05-11.
  3. Decreto-Lei n.º 189/2008 de 24 de Setembro. Diário da República n.º185/2008, Série I de 2008-09-24.
  4. INFARMED – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. Deliberação n.º 15/CD/2013.

further
reading

drug_device_combination_1
medical devices

Regulatory Framework of Drug-Device Combination

The advances in technology continue to merge different types of products and the historical lines of separation between medical devices and medicinal products are getting thinner. Products combining medicinal products and medical devices are regulated either by Regulation (EU) 2017/745 (MDR) or by Directive 2001/83/EC.

Read More »
cosmetic products

SCCS Preliminary Opinion on Alpha-Arbutin and Beta-Arbutin

Alpha-arbutin and Beta-arbutin are used in cosmetic with antioxidant, bleaching and skin conditioning functions. Following concerns raised during discussion within the Working Group on Cosmetic Products and consequent call for data on these ingredients, the SCCS assessed the safety of Alpha-arbutin and Beta-arbutin in cosmetic products.

Read More »
cosmetic products

Request for SCCS Scientific Opinion on Citral

The European Commission requested the SCCS to assess whether the derived safe use levels for Citral by the application of the QRA2 based on the induction of skin sensitization is adequate to protect consumers. A period of 9 months was set for issuing the scientific opinion.

Read More »
cosmetic products

SCCS Scientific Advice on the Safety of Triclocarban and Triclosan

The European Commission Scientific Committee on Consumer Safety (SCCS) has published its preliminary version of the scientific advice on the safety of Triclocarban and Triclosan as substances with potential endocrine disrupting properties in cosmetic products. The deadline for comments was set at 27 May 2022.

Read More »
cosmetic products

Cosmetic Regulation in the Andean Community

In the Andean Community (Bolivia, Colombia, Ecuador and Peru), cosmetic products are mainly regulated by Decision 833. All cosmetic products made available in these countries must undergo a Mandatory Sanitary Notification (NSO) and need to be manufactured according to Good Manufacturing Practices (GMP).

Read More »
cosmetic products

Cosmetic Product Labelling in the European Union

The Regulation (EC) No 1223/2009 lays down the mandatory information that needs to be included in the packaging and container of a cosmetic products. In addition to this information, most cosmetic products include certain claims, which must be supported and properly substantiated.

Read More »
cosmetic products

Environmental Claims in the UK

Green claims are a trend among consumer goods and services. We often see claims like ‘clean beauty’, ‘environmental friendly’ and so many others. But how can companies ensure that these claims are not misleading? The UK’s Competition and Markets Authority (CMA) has published its Green Claims Code, in order to help companies comply with legal obligations when making environmental claims.

Read More »
cosmetic products

Parabens in Cosmetic Products

Parabens are widely used as preservatives in cosmetic and personal care products. Over the years, there have been some concerns related to the safety of parabens. The SCCS has published several opinions regarding the use of these ingredients in cosmetics, indicating the concentration levels they considered safe for human health. In the EU, some parabens can be safely used as preservatives, while others are prohibited in cosmetic products.

Read More »
cosmetic products

The Product Information File (PIF)

A Product Information File (PIF) is mandatory for all cosmetic products placed in the European Union market. It is a document that compiles the technical information of the cosmetic product and it must be kept for a period of 10 years by the Responsible Person.

Read More »