Opinião Preliminar do SCCS relativamente à segurança do Citral em produtos cosméticos 
Ingredientes: CITRAL

Data de publicação: 27/03/2024

A 27 de março de 2024, o Comité Científico de Segurança do Consumidor (SCCS) publicou a opinião preliminar relativa à segurança de Citral em produtos cosméticos. O prazo para comentários é até 2 de junho de 2024.

Citral (CAS No. 5392-40-5, EC No. 226-394-6), com o nome químico ‘3,7-Dimethyl-2,6-octadienal’, é uma mistura de neral e geranial, que são aldeídos monoterpénicos. O Citral está atualmente regulamentado como ingrediente de fragrância no Anexo III (entrada 70) do Regulamento de Cosméticos n.º 1223/2009. É amplamente utilizado tanto como ingrediente de fragrância como de sabor em alimentos, bebidas e vários produtos cosméticos e domésticos, devido ao seu odor distinto, agradável e semelhante ao limão. O Citral é também um constituinte comum de muitos óleos essenciais, como os óleos de capim-limão e Litsea cubeba. 

Em 2008, o Comité Científico de Produtos ao Consumidor (SCCP) realizou uma avaliação de segurança ao Citral (SCCP/1153/08) utilizando a metodologia de Avaliação Quantitativa de Riscos (QRA). 

Em 2012, o SCCS realizou a sua própria avaliação de segurança (SCCS/1459/11) no contexto da opinião sobre Alergénios de Fragrâncias. Em particular, a presença da substância deve ser indicada na lista de ingredientes mencionada no Artigo 19(1) do Regulamento de Cosméticos quando a sua concentração excede: 

  • 0.001% em produtos não enxaguados 
  • 0.01% em produtos enxaguados 

Em dezembro de 2021, a Associação Internacional de Fragrâncias (IFRA) submeteu um dossier sobre os níveis de uso seguro para o Citral, aplicando a metodologia QRA2 refinada com base na indução de sensibilização cutânea. 

O QUE MUDA?

Com base nas informações fornecidas, a Comissão solicitou ao SCCS que avaliasse se os níveis de uso seguro para o Citral, pela aplicação do QRA2 com base na indução de sensibilização cutânea, são adequados para proteger os consumidores. 

Com base nas informações fornecidas e tendo em consideração os níveis de segurança superiores usando a metodologia QRA2 para o parâmetro de toxicidade de sensibilização, o SCCS considera que a avaliação de segurança baseada na metodologia QRA2 indicou que o Citral pode ser considerado seguro quanto à indução de sensibilização nas concentrações propostas para uso em produtos cosméticos

O SCCS considerou ainda que alguns aspetos da metodologia QRA2 precisam de algumas clarificações e refinamentos. Esta recomendação do SCCS é específica para o potencial de sensibilização do Citral nas concentrações de uso propostas. Deste nodo, o SCCS considerará a utilização desta metodologia adequada (para uma população não sensibilizada) para outras fragrâncias e outros ingredientes cosméticos caso a caso. 

Esta opinião preliminar está aberta para comentários até 2 de junho de 2024

REFERÊNCIAS

Scientific Committee on Consumer Safety (SCCS) – Opinion on Citral (CAS No. 5392-40-5, EC No. 226-394-6) – sensitisation endpoint. Preliminary version of 27 March 2024, SCCS/1666/24.

further
reading

notícias e atualidade

Citral sob revisão: Opinião Preliminar da SCCS

The SCCS was tasked by the European Commission to evaluate if the safety levels for Citral, determined through QRA2 based on skin sensitization induction, are sufficient to safeguard consumers. A preliminary opinion was released.

Read More »
notícias e atualidade

O alumínio em cosméticos é seguro para a saúde humana?

O Comité Científico para a Segurança dos Consumidores (SCCS) publicou a sua Opinião Final sobre a segurança do alumínio em produtos cosméticos. Isto acontece após um processo de revisão extenso que começou em 2013, quando o SCCS foi inicialmente encarregado de avaliar os potenciais riscos para a saúde do alumínio (Al) e dos seus compostos em cosméticos.

Read More »
notícias e atualidade

Prata em Cosméticos: Parecer preliminar do SCCS.

Ingredientes: ALUMÍNIO

O recente parecer preliminar do Comité Científico para a Segurança do Consumidor (SCCS) sobre a prata em cosméticos é crucial para consumidores e fabricantes. Este artigo destaca os pontos-chave, tornando mais fácil compreender as implicações e manter-se informado.

Read More »
notícias e atualidade

Reino Unido propõe proibição de toalhetes húmidos que tenham plástico

A 24 de abril de 2024, o Reino Unido informou a Organização Mundial do Comércio (WTO) sobre uma proposta de regulamentação intitulada The Environmental Protection (Wet Wipes Containing Plastic) (England) Regulations 2024. Esta regulamentação tem como objetivo proibir o fornecimento e a venda de toalhitas humedecidas contendo plástico, incluindo aquelas usadas para cosméticos. O prazo para comentários é até 23 de junho de 2024 e espera-se que o projeto seja adotado em setembro de 2024.

Read More »
dispositivos médicos

Notificações de Segurança em Investigações Clínicas: uma Gap-Analysis das Orientações

As notificações de segurança no âmbito das investigações clínicas em dispositivos médicos são realizadas de acordo com o Artigo n.º 80(2) do RDM. Em maio de 2020, foi publicado o documento MDCG 2020-10/1, definindo os procedimentos para a notificação de segurança no âmbito das investigações clínicas com dispositivos médicos. No entanto, em outubro de 2022, o Grupo de Coordenação dos Dispositivos Médicos (MDCG) publicou uma versão atualizada do documento MDCG 2020-10/1, a orientação MDCG 2020-10/1 Rev 1. Este artigo destaca as atualizações incluídas na nova revisão, analisando as diferenças entre os dois documentos.

Read More »
dispositivos médicos

Responsabilidades de um Mandatário ao abrigo do RDM e RDMDIV  

Caso um fabricante de dispositivos médicos não esteja estabelecido num Estado-Membro da UE, os seus dispositivos só podem ser colocados no mercado da União, caso o fabricante designe um mandatário. O mandatário assume um papel essencial em garantir a conformidade dos dispositivos com a regulamentação da EU, servindo como ponto de contacto. As obrigações e responsabilidades dos mandatários encontram-se no Artigo 11 do RDM e do RDMDIV. No entanto, os requisitos relevantes são clarificados no documento MDCG 2022-16 de outubro de 2022.

Read More »
dispositivos médicos

Ciclo de Vida das Normas ISO

As Normas ISO abrangem um vasto leque de atividades, manifestando o conhecimento de peritos sobre determinados assuntos e proporcionando às entidades reguladoras uma base sólida para uma legislação mais adequada. Existe uma grande diversidade de Normas ISO, que abrangem desde o tamanho dos sapatos que calçamos à qualidade do ar que respiramos. O setor dos dispositivos médicos não é exceção. A ISO apresenta várias Normas Internacionais e orientações que auxiliam o setor a garantir que os dispositivos que chegam ao utilizador são seguros e eficientes e que os requisitos regulamentares nacionais, regionais e internacionais são cumpridos. Mas como é que uma Norma é desenvolvida, revista e revogada?

Read More »