Alegações “Anti-Poluição” em Produtos Cosméticos
Hoje em dia, é possível encontrar no mercado diversos produtos cosméticos com alegações de “proteção antipoluição”, “escudo antipoluição”, “contra os danos da poluição” e similares. Mas como pode uma empresa testar e provar estes tipos de alegações?
Liliana Teles

Liliana Teles

ENQUADRAMENTO LEGAL NA UNIÃO EUROPEIA RELATIVAMENTE A ALEGAÇÕES

De acordo com o Regulamento Europeu (CE) N.º 1223/2009 relativo aos produtos cosméticos , “na rotulagem, na disponibilização no mercado e na publicidade dos produtos cosméticos, o texto, as denominações, marcas, imagens ou outros sinais, figurativos ou não, não podem ser utilizados para atribuir a esses produtos características ou funções que não possuem”.

As alegações de produtos cosméticos têm o objetivo de informar os utilizadores sobre as características e qualidades desses produtos. O Product Information File (PIF) do produto cosmético deve conter a prova dos efeitos alegados para tal cosmético (quando justificado pela natureza ou efeito do produto cosmético).

O Regulamento (UE) n.º 655/2013 estabelece os critérios comuns para a justificação de alegações relativas a produtos cosméticos. O seu principal objetivo é garantir um alto nível de proteção aos utilizadores finais, em especial no que diz respeito a alegações enganosas relativas a produtos cosméticos.

As alegações feitas sobre produtos cosméticos disponíveis no mercado da União Europeia (UE) também devem seguir as disposições da Diretiva 2005/29/CE. O objetivo da presente diretiva é proteger os profissionais contra a publicidade enganosa e suas consequências desleais, bem como estabelecer as condições em que é permitida a publicidade comparativa (alteração à Directiva 84/450/CEE). Por outro lado, pretende contribuir para o funcionamento correto do mercado interno e alcançar um nível de defesa dos consumidores.

POLUIÇÃO VS. PELE

A poluição do ar representa uma grande ameaça à saúde e ao clima. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que 9 em cada 10 pessoas respiram ar que contém altos níveis de poluentes. Os poluentes inalados ou ingeridos podem ser distribuídos por todo o corpo através da circulação sistêmica. Os poluentes podem atingir as camadas superficiais e profundas da pele por vias transcutâneas e sistémicas, tornando a pele um dos principais alvos desses compostos.

A poluição pode causar uma vasta gama de efeitos na pele, como alergia, pele opaca, manchas escuras, envelhecimento prematuro (rugas), cancro e outros. Os poluentes podem ativar o metabolismo cutâneo e as vias inflamatórias e induzir o stress oxidativo (diminuindo os níveis de antioxidantes presentes). A radiação ultravioleta também é uma fonte conhecida de stress oxidativo e um fator principal no envelhecimento da pele.

O principal objetivo dos cosméticos no combate à poluição é evitar a entrada de poluentes através da barreira da pele, inibir reações na superfície da pele (por exemplo, peroxidação do sebo) e prevenir ou corrigir reações metabólicas nas células da pele.

TESTES “ANTI-POLUIÇÃO”

Atualmente, os testes in vitro/ex vivo são cruciais para provar as propriedades e eficácia “antipoluição” e, consequentemente, as alegações cosméticas. O estado das células e tecidos pode ser avaliado pela quantificação de biomarcadores importantes. Exemplos de tais biomarcadores são os seguintes:

  • Marcadores de dano de DNA;
  • Conteúdo de ácido láctico;
  • Marcadores de defesa antioxidante;
  • Proteínas mitocondriais;
  • Mediadores de inflamação;
  • Proteínas de stress;
  • Enzimas antioxidantes e desintoxicantes;
  • Biomarcadores do metabolismo lipídico;
  • Atividade de protease;
  • Proteínas associadas à pigmentação;
  • Trifosfato de adenosina;
  • Interleucina IL1a;
  • Oxigenação de tecidos.

Por exemplo, o stress causado pela poluição (como fumo de tabaco, metais pesados, compostos orgânicos voláteis e outros) pode ser aplicado/testado diretamente em meios de cultura de células ou pulverizando o poluente no tecido da pele numa câmara.

Testes in vivo, como teste de barreira cutânea ou avaliação da peroxidação lipídica do sebo em voluntários, também podem ser feitos para avaliar a eficácia antipoluição dos cosméticos. No entanto, estes não são comuns e é mais difícil de executar e avaliar de forma objetiva.

Não existem testes antipoluição internacionalmente regulamentados ou padronizados e reproduzíveis, bem como não existe um acordo sobre quais são os melhores biomarcadorespara comprovar a eficácia dos produtos antipoluição.

No final, diferentes fatores precisam de ser considerados e a empresa deve escolher o teste mais indicado de acordo com as alegações pretendidas. Testar o poluente certo pode ser uma questão complicada e é importante estar adequado aos diferentes fatores inerentes à região (clima, poluentes mais comuns, tipo de pele, etc.) onde o cosmético é comercializado.

Referências: 

  1. Regulation (EC) No 1223/2009 of the European Parliament and of the Council of 30 November 2009 on cosmetic products. 
  2. Commission Regulation (EU) No 655/2013 of 10 July 2013 laying down common criteria for the justification of claims used in relation to cosmetic products. 
  3. Directive 2005/29/EC of the European Parliament and of the Council of 11 May 2005 concerning unfair business-to-consumer commercial practices in the internal market. 

further
reading

notícias e atualidade

Obrigações das Empresas de Cosméticos sob o Regulamento REACH

REACH é um regulamento da União Europeia (UE) que significa Registo, Avaliação, Autorização e Restrição de Produtos Químicos (Registration, Evaluation, Authorisation and Restriction of Chemicals). Todas as substâncias químicas fabricadas e comercializadas na UE, sejam usadas no nosso quotidiano (por exemplo, roupas, produtos de limpeza, cosméticos) ou processos industriais, são regulamentadas pelo REACH.

Read More »
notícias e atualidade

Avaliação de Segurança do Talco pela Health Canada

No Canadá, o Talco foi identificado como uma substância prioritária para avaliação, então o Ministério do Ambiente e o Ministério da Saúde realizaram uma avaliação de segurança deste mesmo ingrediente. No que concerne à exposição por inalação e perineal, o Talco pode constituir um potencial perigo para a vida ou saúde humana.

Read More »
notícias e atualidade

Nova Revisão das Notas de Orientação do SCCS

O SCCS emitiu uma nova revisão das suas notas de orientação (Notes of Guidance) para o teste de ingredientes cosméticos e sua avaliação de segurança. Esta 11ª revisão foi aprovada na sua reunião plenária de 30-31 de março deste ano, e atualiza a 10ª revisão publicada em 2018.

Read More »
notícias e atualidade

O Propilparabeno ainda é considerado seguro pelo SCCS?

O propilparabeno foi avaliado várias vezes pelo Comitê Científico de Segurança do Consumidor da Comissão Europeia (SCCS). No ano passado houve um pedido de parecer científico sobre a avaliação de uma lista de ingredientes, incluindo o Propilparabeno. Em março deste ano (2021), o SCCS emitiu parecer solicitado sobre esse ingrediente.

Read More »
notícias e atualidade

China – Será o Fim do Requisito de Testes em Animais para Cosméticos?

Testar cosméticos em animais já é proibido na União Europeia há vários anos mas, até agora, era obrigatório realizar este tipo de testes para se poder disponibilizar um produto cosmético no mercado Chinês. A partir de 1 de Maio (2021), os testes em animais deixarão de ser uma exigência para os produtos cosméticos “gerais” importados para a China.

Read More »
notícias e atualidade

Nova Rotulagem Ambiental em Itália

Em setembro, Itália fez mudanças na sua regulamentação ambiental, tendo um impacto direto na marcação das embalagens de produtos, incluindo produtos cosméticos. De acordo com o novo Decreto Legislativo Italiano (nº 116, de 3 de setembro de 2020), todos os produtos devem ter a “rotulagem ambiental” presente na embalagem.

Read More »
notícias e atualidade

Opinião do SCCS sobre a Benzofenona-3

Em 2019, o ingrediente Benzofenona-3 foi incluído numa lista considerada de alta prioridade devido à potencialidade para desregulação endócrina. Por isso, o SCCS (Scientific Committee on Consumer Safety) foi convidado a avaliar a sua segurança quando usado em produtos cosméticos. Em março do presente ano (2021), o SCCS publicou o seu parecer sobre este mesmo ingrediente.

Read More »
notícias e atualidade

Produtos Cosméticos Naturais e Orgânicos

Hoje em dia, os consumidores estão a exigir cada vez mais produtos naturais e orgânicos, principalmente quando falamos em produtos cosméticos. É imperativo que as empresas e fabricantes de cosméticos sigam esta tendência. Em 2016 e 2017, a International Organization for Standardization (ISO) estabeleceu diretrizes para definições técnicas e critérios relativos a cosméticos naturais e orgânicos.

Read More »
notícias e atualidade

Alegações “Anti-Poluição” em Produtos Cosméticos

Hoje em dia, é possível encontrar no mercado diversos produtos cosméticos com alegações de “proteção antipoluição”, “escudo antipoluição”, “contra os danos da poluição” e similares. Mas como pode uma empresa testar e provar estes tipos de alegações?

Read More »